Análise da música Disparada (1966) – Geraldo Vandré

image_pdfimage_print
Por Roniel Sampaio Silva*
Contexto Histórico:
As músicas de Geraldo Vandré fazem parte de uma Brasil marcado pela contracultura juvenil num  contexto de contestação política, perseguições, anseios de mudança, num mix de medo e esperança. É impossível disvincular a música Disparada (1966) ao contexto do golpe civil-militar daquela período.

Em linhas gerais, a música se refere a histórico de exôdo rural em que os jovens filhos das elites rurais buscavam de estudos nos grandes centros urbanos. Assim, estes passaram a dialogar mais com outros jovens e conhecer as ideias progressistas que desencaderam um projeto estrutural de mudança o qual não era bem visto pelos setores conservadores:

Prepare o seu coração prás coisas que eu vou contar
Eu venho lá do sertão, eu venho lá do sertão
Eu venho lá do sertão e posso não lhe agradar

Pode ser vista também como a experiência particular de Jango que teve irmãos e pai vítimas de enfermidade logo na juventude. A música também pode fazer alusão ao contexto de perseguição de jovens da época e a resistência dos transgressores do regime militar que não se intimidavam com as prisões, torturas e militaram juntamente com os movimentos sociais em favor das reformas de base:

Aprendi a dizer não, ver a morte sem chorar
E a morte, o destino, tudo, a morte e o destino, tudo
Estava fora do lugar, eu vivo prá consertar

É possível que o protagonista da música seja o presidente Jango, filho de família rica passa a capitanear as terras do pai quando este falece:

Na boiada já fui boi, mas um dia me montei
Não por um motivo meu, ou de quem comigo houvesse
Que qualquer querer tivesse, porém por necessidade
Do dono de uma boiada cujo vaqueiro morreu

Como chefe das propriedades rurrais do pai, passou a tornar-se homem influente na região antes dos anos 1930. Ingressou na política logo após a renúncia de Vargas que era amigo pessoal de seu pai, Vicente vargas. O trecho abaixo revela a habilidade de Jango em lidar com a política e com os negócios. A metáfora da “visão se clareando” pode fazer alusão à percepção de Jango sobre os problemas pontuais da nação naquela época. Foi então que se lançou candidato à vice-presidência da República. Com sua asceção ao poder, seus sonhos de governar o país e implantar seus projetos de nação foram frustrados pelo golpe de 1964:

Boiadeiro muito tempo, laço firme e braço forte
Muito gado, muita gente, pela vida segurei
Seguia como num sonho, e boiadeiro era um rei
Mas o mundo foi rodando nas patas do meu cavalo
E nos sonhos que fui sonhando, as visões se clareando
As visões se clareando, até que um dia acordei

Mesmo com seus projetos estruturais e suas contribuições marcantes para consolidação dos direitos sociais no Brasil, havia uma conspiração para tirá-lo do poder, em razão de Jango reconhecer algumas das bandeiras dos movimentos sociais. Infelizmente Jango não consegiu reconhecimento das suas reformas de base juntas camadas médias da população brasileira…”não pude seguir valente em lugar tenente” . Com o golpe, Jango teve que buscar o exílio e “cantar noutro lugar”:

Então não pude seguir valente em lugar tenente
E dono de gado e gente, porque gado a gente marca
Tange, ferra, engorda e mata, mas com gente é diferente
Se você não concordar não posso me desculpar
Não canto prá enganar, vou pegar minha viola
Vou deixar você de lado, vou cantar noutro lugar

Pra mim há uma forte alusão à desistituição do Presidente Jango, um país sem um governante eleito pelo povo e usurpado por forças civil-militares:

Na boiada já fui boi, boiadeiro já fui rei
Não por mim nem por ninguém, que junto comigo houvesse
Que quisesse ou que pudesse, por qualquer coisa de seu
Por qualquer coisa de seu querer ir mais longe do que eu

Mas o mundo foi rodando nas patas do meu cavalo
já que um dia montei agora sou cavaleiro
Laço firme e braço forte num reino que não tem rei

*Reconheço que a canção têm múltiplas interpretações e essa é apenas uma interpretação baseadas na história do Brasil e na biografia dos personagens. A análise feita aqui foi aprofundada a partir de análise feita por  Hyago em 9 de dezembro de 2011 no site http://analisedeletras.com.br

Para se aprofundar na análise de músicas, recomendo:
Bodart, Cristiano das Neves. O uso de letras de músicas nas aulas de Sociologia. In Revista Café com sociologia.
v. 1, n. 1 (2012). Disponível em < http://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1>
ronielsampaio@gmail.com

Graduado em Ciências Sociais pela UFPI, mestre em Educação pela UNIR e docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí.

View more articles Subscribe
Leave a response comment6 Responses
  1. Silvia Liimah
    outubro 21, 23:25 Silvia Liimah

    musica perfeita

    reply Reply this comment
  2. Professora confiante
    fevereiro 28, 10:39 Professora confiante

    Professora idealizadora!

    reply Reply this comment
  3. Professora confiante
    fevereiro 28, 10:40 Professora confiante

    Professora idealizadora!

    reply Reply this comment
  4. RONALDO
    julho 29, 17:26 RONALDO

    Muita maconha pra interpretar a música dessa forma. Geraldo Vandré é fiel amigo das FFAA.

    reply Reply this comment
mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: