A neutralidade do conhecimento e da escola

Por Roniel Sampaio Silva
Update Agosto de 2015.

Não é novidade que a escola brasileira tem passado por uma série de crises e é atribuído a ela uma série de fracassos que nos fazem repensar urgentemente o projeto de escola pública que temos. 
Cada grupo social e político debate soluções para tal crise. Enquanto um grupo enfocam-se em questões estruturais: valorização dos profissionais da educação, investimento público, universalização, garantia da estrutura escolar, aumento do número de professores, redução de alunos por turma, redução do desvio de função de professores; outros grupos enfatizam na questões estritamente curriculares, dentre os quais propõem uma escola sem partido, livre do que eles chamam de doutrinação marxista ou uma escola sem partido, atribuindo o fracasso escolar à uma escola engajada ideologicamente. Um dos casos mais recentes foi o indeferimento de uma proposta que utilizou como método o materialismo histórico-dialético, método como qualquer outro que cuja orientação está vinculada a uma ideologia.
Para fazer uma análise da proposta partidária da escola neutra vamos pensar a questão em quatro pontos para fins didáticos:
1- Reflexão etimológica
2- Reflexão epistemológica/sociológica
3- Reflexão pedagógica
4- O que a história tem pra nos ensinar sobre isso



1- Reflexão etimológica
Inicialmente é necessário buscar o sentido epistemológico da palavra doutrina – doctrina  (latim) que é o aprendizado ou conjunto de aprendizados oriundos de um sujeito com notório conhecimento, o doutor. Se hoje o vocativo doutor é quase que um pronome de nobreza, na antiguidade clássica a importância do termo residia no fato dele se referir ao professor e não na posição socio-econômica do portador do termo.
Se na antiguidade clássica, talvez não fosse raro se incomodar com a alcunha de “doutrinador”, hoje tal adjetivo soa quase como uma ofensa. Isso porque tais palavras estão associadas à pregar uma ideia religiosa. Como isso ocorreu?
Quando a igreja católica passou a monopolizar o saber, boa parte do conhecimento produzido na antiguidade clássica grega e latina passou a ficar encastelado e sua busca passou um pecado. Assim, por razões políticas, sociais, culturais e econômicas, termos distintos passaram a ser entendido de maneira parecida, dentre os quais destacamos: doutrina, dogma e ortodoxia.
Para melhor compreensão, vamos analisar agora a origem da palavra dogma e ortodoxia.
Dogma
“DOGMA” do grego, significa, literalmente, “aquilo que nos parece verdade”, do verbo DOKEIN, “pensar, parecer bom”.
Ortodoxo
Do latim ORTHODOXUS, do Grego ORTHODOXOS, “aquele que tem a opinião
certa”, de ORTHO , “reto, verdadeiro, correto”, mais DOXA, “opinião,
elogio”, de DOKEIN, “aparentar, parecer”.
A confusão dos termos se deu, segundo Lombardi  por conta da incorporação da filosofia à teologia na Idade Média:

“Com a incorporação da filosofia à teologia, na Idade Média, ortodoxia passou a ser usada no sentido de absoluta conformidade com a doutrina religiosa (isto é, com os ensinamentos professados pela Igreja Católica). Mas esse é o sentido etimológico da palavra dogmatismo (dogma = verdade inquestionável; + sufixo ismo = princípio, doutrina) que tem o preciso significado de estar em conformidade com os pontos fundamentais e indiscutíveis de uma doutrina religiosa determinada, daí o significado de doutrina e que é professada pelos que admitem, como verdade inquestionável, como um ato de fé, um conjunto de explicações (verdades).” (Lombardi, 2012, p. 69)
Desta maneira, era preciso manter a essência da teologia católica, mantendo a raiz das
ideias (ortodoxa) e ao mesmo tempo atribuir-lhe um caráter
inquestionável e universal (dogma). Como era a igreja quem monopolizava o ensinamento (doutrina), todas essas palavras passaram a se aproximar no campo semântico.
2- Reflexão epistemológica/sociológica
Se por um lado a filosofia e teologia foram mescladas no período da idade média, a partir da Revolução industrial há um esforço intelectual considerável para teorizar separadamente as humanidades das ciências naturais com Auguste Comte, inclusive hierarquizando as ciências naturais a um patamar superior e colocando as ciências sociais como parâmetro universal de conhecimento.
Na atualidade como muitas das explicações teóricas das humanidades apresentam-se de maneira consistente para explicação da realidade social, tem sido frequente o esforço intelectual para descrédito da cientificidade das humanidades na tentativa de colocar xeque seus resultados. O principal alvo são a perspectiva das contribuições do pensador Alemão
Karl Heinrich Marx, sob alegação que seu engajamento politico compromete a cientificidade dos resultados analisados uma vez que o conhecimento é neutro, ou seja, beneficia toda a humanidade em igual medida.
 
No bojo do positivismo, o sociólogo alemão Max Weber problematizou que as ciências humanas possuem características muitos distintas das naturais. Nesse contexto devemos considerar a especificidade das ciências humanas na qual busca analisar os objetos referidos por valores, a cultura.
Progresso pra quem?
Assim, preocupação de Weber ao propror uma neutralidade axiológica estava no fato do cientista social ser fiel aos fatos uma vez que era impossível haver uma análise isenta de valores. Ao meu ver, essa diversidade de visões sujeitas a valorizações enriquecem as discussões científicas e fortalecem a busca pelos fatos. O perigo ao meu ver reside em uma visão valorativa camuflada de neutralidade.
Corroborando o autor liberal Max Weber no tocante à neutralidade, um brasileiro radicado na França, Michel  Löwy 
em sua obra “As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen” argumenta que o marxismo foi a primeira corrente de pensamento a analisar o desenvolvimento histórico como forma de explicar as mazelas sociais, até então tidas como discurso pretensamente neutro e desvinculado de ideologias.
A omissão é também um partidarismo.
3- Reflexão pedagógica
Já que refletimos sobre o conhecimento, vamos pensar sobre a educação. Se o conhecimento não é neutro. A educação também não é, muito menos a escolar. Para Saviani, Educação é a produção do conhecimento e que é passado para os indivíduos de maneira sistemática ou assistemática. Toda forma de educação necessariamente implica num projeto de sociedade, uma vez que não existe conhecimento pelo conhecimento. É preciso se perguntar: ensinar pra que? A humanidade produz esse conhecimento socialmente e repassa para as gerações ascendentes numa de acordo com determinado projeto de sociedade, neste sentido é impossível não existe educação neutra.
 4- Reflexão histórica
É interessante aprender com a história, as vezes temos a impressão que estamos passando por um momento de histeria coletiva em relação aos ensinamentos do marxismo. Desta forma, é preciso rememorar que os discursos de neutralidade são típicos da sociedade nazifascistas, bem como, faz parte da história recente do país e foi reinaugurada durante o regime civil-militar de 1964 com a promulgação do AI-5:
“[…]assegurasse autêntica ordem democrática,
baseada na liberdade, no respeito à dignidade da pessoa humana,
no combate à subversão e às ideologias contrárias às tradições
de nosso povo”
É fato que nenhuma escola ou professor deve obrigar seus alunos a pensar de determinada maneira. Todavia, é necessário desconfiar dos dos discursos travestidos de neutralidade, do contrário, repetiremos alguns lamentáveis capítulos da história.
Algumas reflexões finais:
Com tantos indeferimentos existe de fato uma consolidação do pensamento marxista nas universidades brasileiras uma vez que o regime militar combateu prontamente muito dos seus leitores?
Por que não há tanta oposição ao positivismo, ao método compreensivo, funcionalismo, estruturalismo e pós-modernismo uma vez que também estão passíveis de ideologias?
Por que há uma preocupação maior com a visão política dos professores do que com a qualidade das condições da escola pública?
Como se não bastassem as condições materiais, os professores não podem mais pensar por si seus métodos e teorias e nem um projeto de sociedade?

A escola não deve ser um espaço de censura e sim um espaço de pluralidade de ideias. É necessário autonomia ao mestre. O professor precisa deixar claras suas posições políticas, que nunca são neutras, e a partir delas utilizar o método científico para debater ideias de uma maneira saudável e plural.

O mais curioso é que não se vê a escola “sem partido” combater as imposições pedagógicas dos colégios militares proferidas contra alunos e professores. Imagine um mestre ou aluno questionar a apostila abaixo a um policial armado? As ideias as quais são hegemônicas parecem ser tão neutras quanto PH igual a sete, já as que questionam os status quo, são rotuladas como ideologicamente distorcidas.

Caderno de atividades. “História do Brasil Império e República” livro utilizado nos 7ºs anos do Ensino Fundamental nos Colégios Militares.

Por isso, a escola sem partido está muito mais pra escola antimarxista do que uma escola preocupada com a pluralidade de concepções pedagógicas.


Referências:

BRASIL,  1968. Ato institucional Número 5.
Disponível em
<http://legislacao.planalto.gov.br/legisla/legislacao.nsf/Viw_Identificacao/AIT%205-1968?OpenDocument>Acesso:
maio de 2014
LOMBARDI, José Claudinei. Embates marxistas: apontamentos sobre a pós-
modernidade e a crise terminal do capitalismo
. Campinas, SP: Librum, Navegando,
2012.
LÖWY , Michel. As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen. São Paulo: Editora Cortez, 1994.
SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11. ed. rev. Campinas: Autores Associados, 2011.
WEBER, Max. O sentido da neutralidade axiológica das ciências sociológicas: In: Três tipos de poder e outros escritos, Lisboa, Tribuna da História, pp.145-192)

ronielsampaio@gmail.com

Graduado em Ciências Sociais pela UFPI, mestre em Educação pela UNIR e docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí.

View more articles Subscribe
Leave a response comment10 Responses
  1. gabriel
    junho 08, 21:08 gabriel

    Sem querer ser chato mais já sendo, deem uma olhada nos meus comentários lá no facebook sobre a publicação, por favor. Bom se, de repente, postarem muita coisa e ficar difícil de achar, eis: "Muito bom! Não sei é editável, mas há um "dos" a mais em "Todavia, é necessário desconfiar dos dos discursos travestidos de neutralidade". É corrigível? Grato," "na vdd, há um bocado a mais… não é querendo ser chato nem nada.. não to falando a toa ou dizendo q estão errados. Só querendo ajudar Algumas partes que notei: "Reflexaõ pedagógica", "socio-econônica", "advetivo", "detacamos", "Revolução indistrial", "atualizade", "pespectiva", "humandiade", "popror", "dicussões", "neutraldiade", "pretenssamente", "aos ensinamentodo marxismo", "nazi-facistas", "civil-miltar". É isso"

    reply Reply this comment
    • ronielsampaio@gmail.com
      junho 08, 22:11 ronielsampaio@gmail.com

      Gabriel, suas contribuições são absolutamente bem vindas. Postei uma versão não revisada do texto. Seus comentários são muito bem vindos. Algumas coisas inclusive não tinha sido percebidas. Obrigado Gabriel 🙂 Muito gentil da sua parte.

      reply Reply this comment
    • gabriel
      junho 08, 23:27 gabriel

      Haha, de nada. É que gostei do texto/da ideia e decidi publicar. Mas é que há sempre aqueles chatos que nem considerariam o conteúdo (ótimo, por sinal) da publicação pq iam ficar mais atentos aos erros. Continue o bom trabalho!

      reply Reply this comment
  2. Lucas Lira
    junho 12, 12:00 Lucas Lira

    Muito bom! Parabéns pelo texto 🙂

    reply Reply this comment
  3. Manoel Sobral Neto
    março 03, 20:25 Manoel Sobral Neto

    Professor Raniel, mil desculpas, mas eu acho que o senhor não entendeu nada. Lutar por uma escola não-doutrinal, não coaduna em nada com uma pretensa "neutralidade axiológica" da Sala de Aula, mas sim, o fato do estudante estar refém do discurso político engajado do professor. Encucar crianças e jovens é covardia. Responda: quantos alunos tendem a debater professores inflados em suas verdades absolutas, levando em conta que os docentes são os donos das "notas"? Outra coisa,o senhor realmente concorda que um professor, principalmente exercendo função pública, pode dar preferência a uma matriz ideológica, ou científica, em detrimento de outras; em Sociologia, por exemplo, existe algum paradigma dominante? Confundindo não doutrinação com neutralidade, e neutralidade com neutralidade axiológica, dá-se, por conseguinte, a falsa intuição de que o professor pode aderir ao mais rasteiro discurso panfletário sem se preocupar com a imoralidade desse ato.

    Penso que o busílis se concentra no fato de ter atingido principalmente o coração dos progressistas. Gostaria de ver se um professor de filosofia com fumos de pastor conservador e criacionista não seria botado pra fora da escola em poucos instantes. Ninguém, garanto!, levaria em conta "se o professor não pode pensar por si e nem ter um projeto de sociedade".

    reply Reply this comment
  4. Manoel Sobral Neto
    março 03, 21:13 Manoel Sobral Neto

    Posso responder as suas reflexões?

    1- Sim, existe, mesmo que tenha perdido parte de sua força – o que não considero uma vitória dos militares. Vamos lá, me apresente cinco grandes intelectuais que não sejam marxistas, socialistas, neomarxistas, neosocialistas, no qual tivemos a honra de lê-los exaustivamente na nossa graduação. Faça uma pesquisa rápida na biblioteca central de sua universidade e veja a quantidade de livros publicados em período ditatorial e que propagavam a ideologia marxista ou congeneres… Sempre digo que se existem intelectuais brasileiros e estrangeiros que não sejam progressistas, esses são esquecidos nas cadeiras obrigatórias, e quando muito, lembrados nas eletivas.

    2- Bom, o combate ao positivismo e ao funcionalismo se expõe com clareza em todos os manuais de Ensino Médio que conheço. O senhor já refletiu sobre o fato dos chamados "três porquinhos" da Sociologia serem expostos nesses manuais na seguinte ordem: Durkheim, Weber e Marx. Veja, a ordem desrespeita o desenrolar histórico dos pensadores e suas respectivas teorias. Claro, Marx deveria aparecer primeiro, mas é mais reconfortante para o escritor de manuais progressista pôr o "grande libertador" por último, para soar como "verdade definitiva", ou o vencedor do devir científico. Os outros temas elencados pelo senhor são menos tratados como representativos em um construto político-ideológico, mesmo que de fato o sejam.

    3- Desculpe-me, mas vejo que o tema tem total ligação com a "qualidade" em todos os aspectos.

    4- Eram ideias como essa, qual seja a de que existe liberdade de pensamento para todos no âmbito educacional, que surgiram monstrengos como a Educação Moral e Cívica, e a sua vingança intelectual automática travestida de disciplina, a O.S.P.B. Tais liberdades criam corporativismos intelectuais nocivos à democracia pedagógica, e tornam pais, alunos e comunidade escolar reféns da ideologia do governo de ocasião, ou da elite acadêmica que define o que é ou não mainstream intelectual. Isso ocorrera e ocorre justamente por conta de não existir, ao contrário, liberdade nenhuma. Vamos lá, me apresentem, por exemplo, um único livro texto de Ciências Humanas que não trate o Neoliberalismo como algo abominável, destruidor e perverso. Ah, aproveitem e observem que não existe um único manual para Ensino-Médio onde o autor tenha apresentado na bibliografia do mesmo, a leitura de um autor clássico dessa vertente, em seu original. Estranho não?! Para Marx, o original ou seus asseclas, para os "direitistas", seus comentadores e antípodas.

    "O ensino será ministrado com base nos princípios da liberdade – de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber – e do pluralismo de ideias de de concepções pedagógicas".

    Constituição Federal, art. 206, II e III

    reply Reply this comment
  5. ronielsampaio@gmail.com
    junho 17, 15:55 ronielsampaio@gmail.com

    Todo resultado oriundo das ciências humanas o qual mexa com os preconceitos, visão de mundo das pessoas ou cujas conclusões são diferentes do que elas gostariam, prontamente, serão acusados de manipulação ideológica.

    Em síntese, neutralidade é o que eu defendo, "contaminação ideológica" é o que os outros defendem.

    reply Reply this comment
  6. Cristiano Bodart Bodart
    junho 18, 00:29 Cristiano Bodart Bodart

    Primeiramente obrigado por expor sua opinião.
    Vou me ater, por falta de tempo, a uma afirmação sua. É a seguinte:

    "O senhor já refletiu sobre o fato dos chamados "três porquinhos" da Sociologia serem expostos nesses manuais na seguinte ordem: Durkheim, Weber e Marx. Veja, a ordem desrespeita o desenrolar histórico dos pensadores e suas respectivas teorias. Claro, Marx deveria aparecer primeiro, mas é mais reconfortante para o escritor de manuais progressista pôr o "grande libertador" por último, para soar como "verdade definitiva", ou o vencedor do devir científico. "

    Penso que não conhece todos os manuais, pois muitos deles não segue essa sequência. Se eu fosse organizar uma sequencia eu a faria na seguinte ordem: Durkheim, Weber e Marx ou Durkheim, Marx e Weber. Em síntese, eu colocaria Durkheim para iniciar os teóricos por conta dele ter dado origem a uma organização metodológica científica para a Sociologia. Em outros termos, seria primeiro justamente por sua grande importância na introdução do que é Sociologia. Começar com Marx sem antes lançar as bases da Sociologia não vejo ser o melhor caminho. Uso Marx posteriormente ao tema de origem da Sociologia e seu objetivo: entender a sociedade da época. Dito isto, posso usar Marx ou Weber para explicar como se explicava os fenômenos sociais de suas respectivas épocas (embora o escopo temporal será o mesmo: desenvolvimento da sociedade moderna-capitalista). É isso!

    reply Reply this comment
  7. julho 09, 01:37 Pareidolia ideológica e macartismo tupiniquim – Blog Café com Sociologia

    […] macartismo diz respeito a uma postura política inspirada pelo Senador norteamericano Joseph McCarthy (1908-1957). Tal postura está associada a […]

    reply Reply this comment
mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: