Criação bovina e Meio Ambiente: por uma relação menos agressiva

Em 2008 a área desmatada da Floresta Amazônica era de 300 mil Km² em 1980 (6,0% do território total de 5,1 milhões Km²) para 430 mil Km² em 1990, alcançando 730 mil Km² em 2008 (15,0% do total). É sabido que a produção de soja e cana-de-açucar foram, durante os anos 90, os principais responsáveis pela destruição de grande parte do cerrado brasileiro e da Floresta Amazônica. Entre 1990 e 2006 houve uma expansão da área de lavouras no país da ordem de 11,2 milhões de hectares, sendo 60% desta expansão se deu na Amazônia Legal, particularmente no Mato Grosso.
O problema ameaçador no momento é a produção bovina. Estimulada pelo mercado externo, a sua produção ampliou-se em aproximadamente 40% no período de 1990 e 2006. Vimos um incremento de 58,8 milhões de cabeças no rebanho brasileiro, sendo que desse total, cerca de 81% (47,5 milhões) ocorreu nos nove estados da Amazônia Legal. Ou seja, na Amazônia Legal o rebanho cresceu em aproximadamente 181%.
Observando de forma mais focada em estados da amazônia notamos que nesse mesmo período Rondônia apresentou um crescimento de 568% e no Acre foi de 513%, no Mato Grosso e Pará, cerca de 200%.
Para atender tamanha produção as pastagens se expandiram no país, entre 1990 e 2006, em uma área de19,3 milhões de hectares.
No período de 16 anos a região amazônica perdeu, só com a expansão da produção bovina, cerca de 28,15 milhões de hectares de florestas, área conhecida como arco do boi.
Não sou vegetariano, muito menos a favor de deixar de consumir a carne bovina, mas o Brasil deve rever a forma de produção. Não é aceitável viver em um país que se diz preocupado com o meio ambiente e permitir a PRODUÇÃO EXTENSIVA de gado.
É de urgência a criação de Lei limitando o tamanho do pasto por cabeças de boi. Devemos estimular ou até forçar a prática da PRODUÇÃO INTENSIVA.
Deputados, por favor!
Cristiano Bodart Bodart

Graduado em Ciências Sociais, doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo/USP.

View more articles Subscribe
comment No comments yet

You can be first to leave a comment

mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: