A ética Protestante e o Espírito do Capitalismo

Max Weber, em 1917.

É muito comum encontrarmos na net resumos e resenhas da obra “A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo”, de Max Weber, mas tentativas de explicações do porque da metodologia utilizada na obra, a partir da visão da teoria weberiana, não é tão comum. Hoje busquei encontar algo nessa direção mas não encontrei nada na net, então, me imputei a função de iniciar aqui uma discussão nesse sentido. Peço que, os que dominam esse tema ou que já tenham lido a referida obra me ajudem (nos comentários) nessa empreitada.
Weber ao se debruçar sobre o objeto de estudo (a ética protestante) buscou compreender como essa ética propiciou condições para que o capitalismo (o seu espírito) viesse a se desenvolver em países protestantes. Essa foi a maior “sacada” de Weber!
Ao ler as os resumos e resenhas encontradas na Net parece que ao invés de ler a obra (mergulhar no pensamento de Weber) ficaram buscando, ou catando, as características dos grupos religiosos contidos no livro. Parece que Weber, erradamente de acordo com essas resenhas e resumos que vagam pela net, estava fazendo um trabalho de história das seitas protestantes, quando na verdade ele recorreu a tais seitas para buscar identificar quais as possíveis características que levaram seus seguidores a desenvolver uma conduta propícia ao desenvolvimento econômico (esse é o ponto principal da obra).
Livro: A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Lembramos que Weber tinha como objeto de estudo a “Ação Social” – Ação Social é qualquer ação que o indivíduo faz orientando-se pela ação de outros. Vejamos o exemplo do eleitor: ele define seu voto orientando-se pela ação dos demais eleitores. Ou seja, temos a ação de um indivíduo, mas essa ação só é compreensível se percebemos que a escolha feita por ele tem como referência o conjunto dos demais eleitores. Weber dirá que toda vez que se estabelecer uma relação significativa, isto é, algum tipo de sentido entre várias ações sociais, tem-se, então, relações sociais. Só existe ação social quando o indivíduo tenta estabelecer algum tipo de comunicação, a partir de suas ações, com os demais.
Ao estudar a Ética Protestante ele buscava identificar os sentidos (porquês) das ações dos protestantes e de que forma isso os levavam a trabalhar mais, a não se aparentar vagabundos ou ociosos, e conseqüentemente a desenvolver-se economicamente – era a ação social dos protestantes que, segundo ele, deu condições para que países protestantes fossem mais desenvolvidos.
Weber definia as ações sociais, como:
  • Ação social tradicional;
  • Ação social afetiva;
  • Ação social racional movida por fins;
  • Ação social movidas por valores.
 No caso da obra em questão, ele buscou analisar as ações sociais racionais movidas por fins e valores (ou seja, quais os sentidos das ações [a ética] dos protestantes? Quais os valores que os conduziam a tais ações? Quais eram as finalidades de tais ações? Acredito que partindo da primícia da racionalidade dotada de sentido teremos uma compreensão maior da obra de Weber.
Cristiano Bodart Bodart

Graduado em Ciências Sociais, doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo/USP.

View more articles Subscribe
Leave a response comment23 Responses
  1. Anônimo
    maio 22, 02:47 Anônimo

    Segundo Weber, o desenvolvimento do capitalismo deve-se a uma peculiaridade dos capitalistas da Europa Ocidental e norte americano de encarar o trabalho como uma vocação. Essa concepção é revestida por uma religião, o protestantismo, que insere uma nova ética ao homem. Assim o advento do capitalismo para Weber seria uma nova maneira de encarar o mundo do trabalho, que as pessoas deveriam enriquecer pelo suor do seu esforço. Segundo a concepção puritana o homem não deveria ostentar sua riqueza, devia ter a disciplina ascética e através do trabalho seriam escolhidos por Deus.

    reply Reply this comment
  2. Tatiane
    junho 19, 13:51 Tatiane

    De acordo com minha segunda leitura da obra "A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo", tive uma interpretação do título, que foi confirmada pela Dra. Lídia Cardeal, prof. e pesquisadora da UFBA, de que há uma intenção por parte do autor, Weber, em fazer como um "trocadilho", em que se refere na verdade ao "espírito" do protestantismo e o desenvolvimento de uma "ética" do capitalismo. Em 1905, ano de sua viagem aos EUA, Weber desenvolvi a idéia da "Ética Protestante[…]"

    reply Reply this comment
  3. P. Pablo Reis
    agosto 13, 05:19 P. Pablo Reis

    Penso eu que a obra em si mostra uma relação entre as religiões protestantes e a ascensão do capitalismo. Weber relaciona a primazia do capitalismo que é o lucro máximo com as doutrinas protestantes. Ele mostra como o protestantismo dá fundamentos para que o homem busque o lucro, baseado numa crença divina, já que essa mentalidade inerente ao capitalismo de sempre buscar o lucro máximo era estranha à população, que não via necessidade dessa busca desenfreada. Porque buscar mais do que o necessário para "comer bem e durmir bem"? porque esse encontrado em religiões protestantes que, como já foi dito, explicavam por meio de uma interpretação da bíblia, que, ao contrário do catolicismo, não condenava o lucro, e sim, via no lucro uma benção de Deus. Enfim, basicamente ele explica o "espírito" capitalismo a partir do protestantismo e faz uma analise do impacto dessas filosofias à economia e à sociedade.

    reply Reply this comment
  4. Cristiano Bodart Bodart
    agosto 13, 14:55 Cristiano Bodart Bodart

    é isso mesmo P. Pablo! Valeu pela colaboração!

    reply Reply this comment
    • Wagner Fernandes
      setembro 29, 02:38 Wagner Fernandes

      Wagner Fernandes
      Ao ler a obra de Weber "A Ética Protestante e o Espirito Capitalista" fiquei impressionado. Percebi que não houve intenção de se criar o capitalismo, mas essa "conduta" assumida pelos cristãos Calvinista, com bases na doutrina da predestinação, em busca de uma evidencia externa da sua eleição, já que o eleito tinha certeza da sua salvação, favoreceu o surgimento de um espirito "individualista", "egoista" e "ganacioso" que é o Capitalismo.

      reply Reply this comment
    • Anônimo
      setembro 26, 19:54 Anônimo

      Sugiro também ler Calvino, para se entender predestinação e eleição. Fica a dica.

      reply Reply this comment
      • Ferreira Júnior
        julho 15, 17:29 Ferreira Júnior

        Exatamente…Somente conhecendo a teologia calvinista, entende-se a junção religião+trabalho+poupança…Enfim, o lastro necessário à formação do capitalismo,por exemplo, nos EUA…

        reply Reply this comment
  5. Anônimo
    fevereiro 09, 21:10 Anônimo

    Bem legal, mas acho que faltou mais do livro em si.

    reply Reply this comment
  6. ronivaldo andrade
    agosto 04, 11:27 ronivaldo andrade

    Na verdade a obra de max weber comentada aqui,é bastante difusa,ele não se concentra numa linha mestra que possa responder a questão primordial do capitalismo,se ele surgiu a partir das forças materiais(karl marx),ou a partir das idéias(idealismo).Max weber não sabe quem veio primeiro se foi o ovo ou a galinha.Talvez quisesse se contrapor a marx,entretanto o seu desempenho em responder a questão primordial foi insuficiente.Sem resolver a questão primordial a obra de weber se limita apenas ao seu valor histórico.

    reply Reply this comment
    • Anônimo
      novembro 05, 14:06 Anônimo

      Não cabe aqui comparar Weber a Marx, são trabalhos e ideologias diferentes, a expressão "se foi o ovo ou a galinha" é muito simplista, o livro "A Ética Protestante e o Espírito Capitalista" foi considerado o livro do século, precisa rever seus conceitos! fica a dica!

      reply Reply this comment
  7. Anônimo
    agosto 04, 15:31 Anônimo

    Interessante, eu não li o livro então a partir da sua resenha me informei um pouco sobre ele!

    reply Reply this comment
  8. jefferson matheus
    setembro 17, 13:19 jefferson matheus

    Na verdade a obra de max weber que e comentadar nesse blog,é bastante difusa,ele não se concentra numa linha mestra que possa responder a questão primordial do capitalismo,se ele surgiu a partir das forças materiais(karl marx),ou a partir das idéias(idealismo).Max weber não sabe quem veio primeiro se foi o ovo ou a galinha.Talvez quisesse se contrapor a marx,entretanto o seu desempenho em responder a questão primordial foi insuficiente.Sem resolver a questão primordial a obra de weber se limita apenas ao seu valor histórico.

    reply Reply this comment
    • Anônimo
      setembro 17, 15:12 Anônimo

      Essa expressão "se foi o ovo ou a galinha" é muito boba, demonstra ingenuidade em relação ao aprendizado, creio que Weber não gostaria, aprovaria esse tipo de vocabulário, então mude, inove nas palavras. 🙂

      reply Reply this comment
    • Kelliny Andrade Costa
      setembro 17, 23:31 Kelliny Andrade Costa

      Penso eu que a obra em si mostra uma relação entre as religiões protestantes e a ascensão do capitalismo.

      reply Reply this comment
    • Anônimo
      novembro 05, 14:07 Anônimo

      Não cabe aqui comparar Weber a Marx, são trabalhos e ideologias diferentes, a expressão "se foi o ovo ou a galinha" é muito simplista, o livro "A Ética Protestante e o Espírito Capitalista" foi considerado o livro do século, precisa rever seus conceitos! fica a dica!

      reply Reply this comment
  9. Denise Antonio
    outubro 02, 21:59 Denise Antonio

    Para mim , Weber quis mostrar que, com o crescimento do capitalismo, a nova classe burguesa enriquecia, fazendo com que eles se sentissem culpados por isso, devido ao pensamento da Igreja Católica que condenava o enriquecimento devido ao Pecado Original de Adão e Eva.Porém, com o crescimento de novas religiões na Europa e principalmente no PROTESTANTISMO, e o capitalismo que ganha cada vez mais seu espaço, trabalhar significava não mais um castigo e sim uma qualidade que Deus tinha dado, pois se você trabalha honestamente, Deus pode dar em dobro.Assim, as pessoas não se sentiam culpadas em trabalhar e enriquecer.

    reply Reply this comment
  10. mau
    novembro 02, 00:11 mau

    Muita conversinha….faltou foi uma resenha consistente do livro, para a partir disso se inciarem as discussões. Dar palpite qualquer um dá.

    reply Reply this comment
  11. Alex Levitz
    abril 26, 03:03 Alex Levitz

    Penso que os reformados Puritanos ou Protestantes são apenas uma "perna" da evolução capitalista. É uma visão de horizonte curto onde os pés de Weber estavam fincados. Quem dera se todo o capitalismo estivesse nas mãos dos protestantes.

    reply Reply this comment
  12. Ciências Sociais UFMG 2.15
    novembro 11, 02:18 Ciências Sociais UFMG 2.15

    Minha interpretação é a seguinte: como Weber cita no capítulo 2 – O "espírito" do capitalismo, a sua concepção sobre a ética é a inversa dos materialistas, ou seja, a base material(capitalismo avançado, mão de obra livre e divisão racional do trabalho) não estava pronta e a "superestrutura" já estava (ética dos protestantes). A negação do ócio, o dever do trabalho já era um valor que proporcionou uma coincidência e o ethos se encaixou perfeitamente no capitalismo ocidental moderno, onde o processo de racionalização estava avançado. O ascetismo protestante não objetivava de forma alguma o lucro como um fim em si(o motor o capitalismo moderno ocidental para Weber) irracional,o ascetismo negava-o. Mesmo assim influenciou o sistema e é extremamente correlacionado ao sucesso capitalista ..
    o resto é com vcs …

    reply Reply this comment
  13. thales vinicius
    janeiro 31, 00:23 thales vinicius

    É bem verdade que não podemos comparar Karl Marx, Durkhein como Weber, porém, Weber tem uma linhagem de pensamento muito insegura, levando os leitores pensarem que não tem um ponto nevrálgico, ou seja, um chão a qual posso se sustentar. Ele mesmo diz que o capitalismo surgiu antes mesmo da "Reforma". (Vou ler de novo a obra, para melhor situar e poder argumentar, porém, o que tenho da primeira leitura, é muita oscilação)

    reply Reply this comment
  14. thales vinicius
    janeiro 31, 00:25 thales vinicius

    É bem verdade que não podemos comparar Karl Marx, Durkhein com Weber, porém, Weber tem uma linhagem de pensamento muito insegura, levando os leitores pensarem que não tem um ponto nevrálgico, ou seja, um chão a qual possa se sustentar ou assegurar-se. Ele mesmo diz que o capitalismo surgiu antes mesmo da "Reforma". (Vou ler de novo a obra, para melhor situar e poder argumentar, porém, o que tenho da primeira leitura, é muita oscilação)

    reply Reply this comment
  15. Douglas
    novembro 25, 13:35 Douglas

    Pontos que não devem ser esquecidos nessa dialética: 1) A natureza humana é genuinamente ambígua e despudoradamente exclusivista; 2) Só a evolução e o “Senhor Tempo” permite a avaliação da história humana. No meu entendimento, salvo melhor juízo, as bases do Capitalismo tiveram início com O Domínio dos Cereais e de toda tecnologia necessária para isso, o que obrigatoriamente induziu o ser humano a se unir em grupos, colonias, vilas e cidades.

    reply Reply this comment
mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: