Falar de amor, de flores?

Poema de Luciana Maximo

Na verdade eu queria falar de amor,
das flores,
do sol nascendo,
se ponto,

da praia deserta, do cais,
mas a dor da sociedade é tão gritante
e os disparates tão rompantes,
que encarna mim
um pouco de Gregório
e eu fico com a Boca do Inferno
em forma de poesia,
marginal,
e sem rima
e em versos desarticulados e tortos
observo de rabo de olho o sussurro tímido,
assustado da minha gente que pede, implora,
emprego, comida, dignidade
um pouco de respeito nessa sociedade!

Cristiano Bodart Bodart

Graduado em Ciências Sociais, doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo/USP.

View more articles Subscribe
comment No comments yet

You can be first to leave a comment

mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: