Interdisciplinaridade e o papel da Sociologia no Ensino Médio

Por Leonardo Vinícius Xavier de Souza*

O convite ao pensamento lógico científico não se refere
à construção deste apenas sob um ponto de vista. O formato disciplinar nas
escolas, que é comum ainda nos dias atuais, induz o aluno a raciocinar as
disciplinas de forma isolada. De que forma isso acontece? Geralmente o
estudante aprende a pensar em uma disciplina por prova; cada matéria tem um
horário específico e cada conteúdo é visto de forma separada. São as normas
organizacionais do ensino que se aproxima do tradicional. No entanto, o
aprendiz tende a não adquirir o hábito de inter-relacionar os conteúdos. Não
raro, muito do que é estudado em uma disciplina parte de concepções que vem de
outras disciplinas para se consolidar numa única disciplina.
Em se tratando da Sociologia, uma de suas funções durante o ensino médio
é incentivar a formação de um pensamento crítico e apontar para a importância
de uma prática reflexiva. Isso deve estar claro também para o estudo de outras
disciplinas.
Na vida prática do estudante, sendo bom aluno ou não, é facilmente
compreensível para si
mesmo que não é necessário ser nenhum físico para
entender que existe uma força de atrito que determina a intensidade do impulso
da aceleração empregada em determinado objeto para seu deslocamento. Do mesmo
modo, não se necessita da confirmação de um químico para constatar os estados
sólido, líquido e gasoso da água.
De qualquer forma, se este estudante não souber nada em uma prova de matemática
ou história, por exemplo, vai tentar resolve-la da forma mais lógica possível.
A partir do pouco que se lembra, ou da experiência vivida em outros ambientes
que não se referem à escola.
Na atualidade as provas do ENEM já vêm num formato mais próximo do
interdisciplinar. Isto é, não se considera tanto disciplinas como Física,
Química, entre outras, mas, valoriza as áreas do conhecimento. Logo, uma
questão de que é própria da Biologia, pode fazer referência a uma questão
anterior que é própria da Química e vice-versa.
Assim, a proposta interdisciplinar tem como objetivo mostrar ao aluno a
possibilidade de relacionar diversos conteúdos de forma a dar sentido ao seu
cotidiano. Compreendendo a história através da criação de fórmulas matemáticas,
compreendendo a formação de um pensamento social e científico próprio da
Sociologia através da leitura de obras artísticas (como pinturas, esculturas,
entre outros). Ou mesmo conseguindo visualizar processos de criação da Química
partindo de concepções filosóficas.
Ao longo da leitura de materiais didáticos mais recentes torna-se
perceptível a inclusão de fórmulas, diagramas, concepções oriundas de outras
disciplinas que nos remetem ao pensamento sociológico. Por quê? Para que se
torne claro ao aluno a possibilidade de um enfoque multidisciplinar. Para que
se compreenda que a dinâmica interdisciplinar é saudável e que o mundo
científico funciona dessa maneira.
A Sociologia possui papel intrínseco em sua aplicação no contexto de
interdisciplinaridade. Pois serve de ponte entre algumas disciplinas tradicionais
do ensino médio. Como por exemplo: Existem fatos sociais que a História não
consegue explicar e dados que a Geografia não alcança. Formas de pensamento que
a Filosofia não se interessa em mensurar, apenas discutir como atividade de
pensamento bem conduzida. Mas não há preocupação sobre a veracidade dos fatos,
o que é próprio da Sociologia. Assim, os que sofreram privação aos estudos da
Sociologia do ensino médio, principalmente antes dos anos de 2008/2009 (quando
a disciplina se torna obrigatória no Estado) tendem a ter maior dificuldade de
compreender o objetivo de se estudar as disciplinas de humanas em geral. A não
ser que tal aluno possua gosto e aptidão pela por este campo disciplinar.
Outro aspecto da proposta interdisciplinar é apontar para a utilidade
das disciplinas na vida cotidiana do aluno. Como afirma Rubem Alves: “O ensino
serve para dar prazer à vida.” Logo, se não há prazer no estudo, se não há
avanço e aplicação prática, pra quê estamos estudando? Fica a pergunta como
reflexão para alunos e professores.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
COSTA, Maria Cristina Castilho. SOCIOLOGIA
Introdução à ciência da sociedade. São Paulo, Editora Moderna, 2009.
MORTIMER, Uriel. Profissão docente de
Sociologia:
contribuição na construção emancipatória dos sujeitos. http://www.fns-brasil.org/site/_artigo_sind_sp_profissao_docente.asp. FNS BRASIL, 2008.
POMBO, Olga. Práticas
interdisciplinares.
Sociologias, Porto Alegre, n. 15, 2006.
SPOSITO, Marília Pontes. Uma
perspectiva não escolar do estudo sociológico da escola.
São Paulo, USP,
2011.
* Bacharel em Ciências Sociais pela PUC/MG; licenciando em Sociologia
pela UNIMES/SP; Diretor do Departamento de Comunicação e Imprensa do SINDS/MG
(Sindicato dos Sociólogos de Minas Gerais) e professor do ensino médio.
Cristiano Bodart Bodart

Graduado em Ciências Sociais, doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo/USP.

View more articles Subscribe
Leave a response comment2 Responses
  1. Bruno dos Santos Joaquim
    outubro 29, 00:39 Bruno dos Santos Joaquim

    Parabéns pelo texto, Leonardo.
    Trabalho com ensino de sociologia em escola de EJA. A absoluta maioria dos meus alunos pararam de estudar antes de 2009 e estão retornando agora. Apesar da grande experiência de vida que possuem, associá-la ao pensamento crítico-científico é um grande obstáculo.
    Por mais que o papel transdisciplinar da sociologia no EM deva ser valorizado, não podemos esquecer que a disciplina ainda passa por um processo de afirmação dentro do currículo. Acredito que é uma luta diária pela sua valorização na escola. Concorda?

    Abraço

    reply Reply this comment
  2. Leonardo Xavier de Souza
    outubro 29, 15:38 Leonardo Xavier de Souza

    Concordo.
    Além de ser uma luta diária, é algo que deve ser valorizado pelo próprio sociólogo que muitas vezes se encontra envolto em outro tipos de trabalho da área. Trabalhar Sociologia no ensino médio não é uma questão de informação, mas de formação. Custou caro para nosso povo e nosso país manter essa disciplina fora do currículo disciplinar por todo esse tempo. Se pensarmos que desde 1965 não temos a Sociologia no ensino médio, que por sua vez só volta em 2009, são 44 anos de alienação em nome de formar pessoas submissas. Estou plenamente de acordo com a valorização da disciplina.

    reply Reply this comment
mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: