Discriminação Racial, Consciência Coletiva e Habitus

 

 

Discriminação Racial e Consciência Coletiva
Por Cristiano das Neves Bodart

 

Que tal uma reflexão estrutural da discriminação racial no Brasil? Digo “estrutural”, a fim de, evidenciar que a discriminação não é apenas “selada” na ação ou no pensar individual. Trata-se de uma consciência coletiva, nos termos durkheimiano. Diria ainda que, trata-se do habitus adquirido pelos não negros, e, em muitos casos, entre esses – sobretudo se tiverem acesso à “cultura dos brancos”.
O racismo é parte da “Consciência Coletiva” por ser construído socialmente por meio de nossa (H)história positivista, marcada por heróis nacionais elitistas e brancos, por representações/afirmações de políticas excludentes, além de ideologias disseminadas por algumas novelas, filmes, propagandas e parte de um discurso “policial” (e reproduzimos isso tudo em suas ações individuais, via habitus adquirido).  O conjunto desses elementos construtores e reforçadores do racismo impregnou na consciência coletiva muitos absurdos. A medida que novos indivíduos vão nascendo e crescendo esse conjunto de elementos vão

“adequando-os” ao pensamento coletivo discriminatório vigente.
O conceito de habitus nos ajuda a entender isso. Bourdieu define habitus como
“[…] um sistema de disposições duráveis e transponíveis que, integrando todas as experiências passadas, funciona a cada momento como uma matriz de percepções, de apreciações e de ações – e torna possível a realização de tarefas infinitamente diferenciadas, graças às transferências analógicas de esquemas […]” (BOURDIEU, 1983b, p. 65).
Nesse sentido, ao tratarmos de racismo, notamos que estamos quase todo tempo expostos a um sistema marcado pela discriminação, cujo esquema estrutural destaca o negro de forma pejorativa e/ou inferiorizada. Para perceber isso, bastamos olhar atentamente ao nosso redor e, muitas vezes, para nós mesmos.  É essa exposição  constante que leva a sociedade a (re)produzir o preconceito, manifestando-se em forma de ações e pensamentos. É nesse contexto que criamos uma consciência coletiva preconceituosa e um habitus igualmente discriminatório em seu sentido pejorativo.
Há, assim, no indivíduo “branco” uma pré-disposição em julgar o “negro” como ladrão, malandro, feio etc. Nesse sentido, enquanto a noção de “Consciência Coletiva” durkheimiana nos ajuda a pensar o racismo na “esfera” estrutural, o habitus nos possibilita pensar nossas ações individuais, embora ambos os conceitos consideram a estrutura social.
Uma música intitulada “A Carne”, do cantor e compositor “Seu Jorge”, nos ajuda a pensar essa questão.  O artista inicia sua música de forma enfática e bem clara em relação a realidade social: “A carne mais barata do mercado é a carne negra”. A música continua com exemplificações interessantes:

“Que vai de graça pro presídioE para debaixo de plásticoQue vai de graça pro subempregoE pros hospitais psiquiátricos”

Após tais exemplificações, o compositor não poderia deixar de retoma a afirmação de que “A carne mais barata do mercado é a carne negra”. A música ainda busca evidenciar o papel do negro na história do Brasil, ainda que não devidamente reconhecida: “Que fez e faz história, segurando esse país no braço”.
Em outra estrofe, o compositor apresenta, em meio a situação de subjugação, a esperança de mudanças.

“Mas mesmo assimAinda guardo o direitoDe algum antepassado da corBrigar sutilmente por respeitoDe algum antepassado da corBrigar bravamente por respeitoDe algum antepassado da corBrigar por justiça e por respeitoDe algum antepassado da corBrigar, brigar, brigar”

Por fim, o que mais me chama a atenção é a esperança depositada em algum “antepassado de cor”. Estariam os negros descrentes nos brancos? É, no mínimo, de se pensar…
Referência:
BOUDIEU, Pierre. (1983b) Sociologia. Organizado por Renato Ortiz. São Paulo: Ática.

Como citar esse texto:

BODART, Cristiano das Neves. Discriminação Racial e Consciência Coletiva. Blog Café com Sociologia. 2013. Disponível em: http://www.cafecomsociologia.com/2013/12/discriminacao-racial-consciencia.html. Acesso em: dia mês ano.

 

Cristiano Bodart Bodart

Graduado em Ciências Sociais, doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo/USP.

View more articles Subscribe
Leave a response comment2 Responses
  1. Arão Silva
    fevereiro 02, 18:42 Arão Silva

    são muito interessantes as publicações de blogger.

    reply Reply this comment
  2. Marcos Antônio Coelho da Silva
    outubro 27, 11:43 Marcos Antônio Coelho da Silva

    Vou usar seu texto num artigo meu para a disciplina de Sociologia III

    reply Reply this comment
mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: