Do “rito de passagem” à “rito de legitimação da dominação”: o caso dos “Trotes”

Por Cristiano Bodart

O
rito de passagem é caracterizado pela mudança de fase da vida social; o que é
comum em todas as sociedades humanas. O ritual de passagem, como indica o
termo, simboliza a passagem de um grupo para outro, ou seja, o desligamento do
indivíduo de seu antigo grupo para a sua inclusão em um outro. Como exemplos de
nossa sociedade, temos a “festa de 15 anos” e a “despedida de solteiro”.
Na
festa de 15 anos, a jovem é apresentada à sociedade como a mais nova mulher,
pronta para participar do ciclo de mulheres adultas, assinalando o fim da
infância ou da adolescência e o início do reconhecimento de sua capacidade
sexual. Na “despedida de solteiro”, é realizado um ritual, com modelos
variados, onde o indivíduo comemora a passagem de uma vida solteira para uma
casada. O formato do ritual de passagem é bem variado, mas resume-se como se
alguém estivesse dizendo ao iniciado “agora és um de nós”, “agora podes fazer o

que fazemos”.
Um
rito de passagem muito praticado nas sociedades urbanas ocidentais são os
“trotes”. Ritual de inclusão de novos indivíduos a vida acadêmica. Tal ritual é
realizado em formato de recepção aos iniciados, que são chamados de calouros.
Realizado o ritual o ingressante no curso superior passa a ser parte do grupo
de estudantes acadêmicos. Porém, o que parece é que tal ritual de passagem vem
a cada dia mais se transformando em um “ritual de legitimação de dominação”.
O
ritual denominado “Trote” apresenta-se, quase sempre, como uma forma de
legitimar o poder e, consequentemente, a dominação dos “veteranos” sobre os
“ingressantes” ou “calouros”. Tal relação de dominação vai perdurar enquanto a
próxima cerimônia ritualística não ocorrer. Enquanto isso o iniciado será
sempre conhecido como calouro, termo, quase sempre, carregado de sentido
pejorativo e de inferioridade em relação aos “veteranos”.
No
Trote tem-se início a dominação do veterano sobre o calouro. Nesse momento o
calouro deve se submeter a situações muitas vezes constrangedoras e até humilhantes.
Muitos vêm se opondo a prática do trote, especialmente onde o ritual leva os
iniciados à condições “desumanas”. O que não se vê é que a dominação não se
limita ao ritual. Este parece ser apenas o ápice da evidência da dominação que
é exercida durante todo o ano letivo.
Sem
dúvida, em muitos casos, o “Trote” deixou de ser apenas um ritual de inclusão
para ser um ritual de dominação. No máximo um ritual de inclusão de indivíduos
em condições de subjugados e dominados por outros que antes estavam nessa
condição. Longe de ser uma manifestação de expressão do tipo “agora és um de nós”.
Pena que muitos subjugados de hoje desejam ser os dominadores de amanhã.
Cristiano Bodart Bodart

Graduado em Ciências Sociais, doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo/USP.

View more articles Subscribe
Leave a response comment11 Responses
  1. Anônimo
    fevereiro 25, 13:24 Anônimo

    Sou caloura do curso de letras e o trote foi realmente o que você falou: não me senti participando de um grupo e sim prejudicada.
    Na minha opinião o trote deveria ser facultativo.

    reply Reply this comment
  2. Edson Bertoldo
    fevereiro 27, 13:54 Edson Bertoldo

    Parabens Cristiano pela analise, concordo plenamente que muitos dos ritos de passagens das instituiçoes modernas são muito mais do que inserir um neofito ao grupo ou da-lhes as boas vindas e sim fortalecer e legitimar uma ação de dominição que poderar permanecer durante toda a vida institucional do individuo. Faço este mesmo tipo de analise no mestrado em sociologia em que estudo ritos de passagem na policia militar nesta perspectiva de legitimar a dominação. Edson Bertoldo

    reply Reply this comment
  3. Cristiano Bodart Bodart
    fevereiro 27, 15:28 Cristiano Bodart Bodart

    Edson, caso queira compartilhar suas ideias, existe a opção nesse blog de você enviar seu texto para avaliação e posterior publicação. Abç

    reply Reply this comment
  4. Jaqueline Peixoto Lima
    setembro 13, 21:39 Jaqueline Peixoto Lima

    Excelente texto e trata de um assunto muito polêmico, que são os trotes que envolve os jovens que estão ingressando em uma nova vida acadêmica,em muitas situações o trote não é tratado apenas como uma simples brincadeira de recepção aos chamados "calouros" mas uma maneira dos "veteranos" os comandarem durante todo o ano,os iniciantes podem se sentir excluídos porque acabam levando essa"fama" até o final do ano acadêmico e com isso podem ser até mesmo prejudicados nos estudos porque ao se sentirem inferiores aos demais perdem a vontade de estar indo a faculdade ou participando de algo porque sempre vão estar sendo subjugados pelos demais colegas os "veteranos".

    reply Reply this comment
  5. simplesinsano
    setembro 17, 23:48 simplesinsano

    Não sou contra os trotes, mas penso que os mesmos não precisassem ser tão humilhantes assim. Faz parte da idade, são brincadeiras. Mas uma coisa eu não concordo, a humilhação, o abuso de certas pessoas que promovem esses "trotes" com má intenção. Atos desnecessários que extrapolam os limites da boa vontade, e a falta de respeito com a opção do aluno de participar ou não do trote.

    reply Reply this comment
  6. Felipe Teixeira Fernandes
    setembro 21, 16:08 Felipe Teixeira Fernandes

    Para mim foi um excelente texto trata se de um assunto muito polêmico, que são os trotes que envolve os jovens que estão ingressando em uma nova vida acadêmica,em muitas situações o trote não é tratado apenas como uma simples brincadeira de recepção aos chamados calouros mas uma maneira dos veteranos

    reply Reply this comment
  7. Felipe Teixeira Fernandes
    setembro 21, 16:09 Felipe Teixeira Fernandes

    Para mim foi um excelente texto trata se de um assunto muito polêmico, que são os trotes que envolve os jovens que estão ingressando em uma nova vida acadêmica,em muitas situações o trote não é tratado apenas como uma simples brincadeira de recepção aos chamados calouros mas uma maneira dos veteranos

    reply Reply this comment
  8. Felipe Teixeira Fernandes
    setembro 21, 16:11 Felipe Teixeira Fernandes

    Para mim foi um excelente texto trata se de um assunto muito polêmico, que são os trotes que envolve os jovens que estão ingressando em uma nova vida acadêmica,em muitas situações o trote não é tratado apenas como uma simples brincadeira de recepção aos chamados calouros mas uma maneira dos veteranos

    reply Reply this comment
  9. mardem sousa
    setembro 24, 00:55 mardem sousa

    Um texto muito bom retrata muito bem um grande assunto que de vez em quando aparece nas ruas e nos jornais que tem vez que começa com uma brincadeira e termina numa fatalidade e por isso que devemos brincar sim faz parte da vida mais n devemos abusar e nem mal tratar os outros.

    reply Reply this comment
  10. guilherme gomes ribeiro
    setembro 24, 01:44 guilherme gomes ribeiro

    Excelente texto e trata de um assunto muito polêmico, que são os trotes que envolve os jovens que estão ingressando em uma nova vida acadêmica,em muitas situações o trote não é tratado apenas como uma simples brincadeira de recepção aos chamados "calouros" mas uma maneira dos "veteranos" os comandarem durante todo o ano,os iniciantes podem se sentir excluídos porque acabam levando essa"fama" até o final do ano acadêmico e com isso podem ser até mesmo prejudicados nos estudos porque ao se sentirem inferiores aos demais perdem a vontade de estar indo a faculdade ou participando de algo porque sempre vão estar sendo subjugados pelos demais colegas os "veteranos".

    reply Reply this comment
  11. Gianna VictóriaD
    março 18, 23:48 Gianna VictóriaD

    Excelente matéria, super de acordo com o meu ver em relação aos "trotes" desde sempre.
    E realmente é uma pena 'que muitos subjugados de hoje desejam ser os dominadores de amanhã.'

    reply Reply this comment
mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: