MEDO, SEGURANÇA, LIBERDADE

 Por Vladimir de Souza Nascimento*
Vivemos em um mundo tão repleto de incertezas e medos que,
incrivelmente, parece que somos reféns da nossa própria vida. Tudo isso também
é reflexo da fragilidade a qual estamos submetidos através dos bombardeios
cotidianos de notícias veiculadas pela mídia sobre as desgraças alheias.
Inevitavelmente, todos esses infortúnios contribuem para aumentar ainda mais
nossa sensação de insegurança e temor; podendo contribuir para evolução de
doenças psíquicas como transtornos de ansiedade e síndromes do pânico, por
exemplo.

Mas se engana que essas são características da nossa época ou cultura.
Talvez, os atuais meios de comunicação; ou de como as notícias são facilmente
propagadas; ou a globalização (sistema no qual as ações em determinados países
podem disseminar reações em outros), tenha contribuído para iludir nossa
percepção de que vivemos em épocas de insegurança nunca antes conhecidas.
Ora, diante de todas essas inseguranças e precariedades, é justo se
privar de determinados atos? Vale à pena abdicar da liberdade e deixar de
realizar nossas vontades com medo de um futuro que nem sabemos se vai se
concretizar? Nossos medos determinarão nossas felicidades? Nossas privações
prolongarão nossos dias de vida? Quem garante que na segurança do nosso lar não
podemos ser atingidos por algum tipo de infortúnio?
Obviamente que não é fácil lidar com nossos medos e às vezes podemos até
precisar de uma ajuda profissional para lidar com eles. Também é verdade que
nossos medos são mecanismos de defesas que podem nos prevenir de alguma
armadilha. Mas, ficar refém desses medos impede nosso desenvolvimento social e
uma saudável maneira de aproveitar a vida.
Alguns autores da ciência sociológica defendem a impossibilidade de
conciliar segurança com liberdade. Aonde um estar o outro não pode permanecer.
Quem é livre não pode ter uma segurança plena; e quem pode se declarar seguro é
porque certamente tem sua liberdade privada.
Mas, convenhamos: só existe uma vida (sem entrar em méritos espirituais
ou religiosos). E com exceção daqueles temores e fobias de ordem psíquica e/ou
patológica, podemos muito bem conviver com os medos sem deixar de tirar
proveito da vida. Afinal, é mais vantajoso se esquivar da sociedade e se privar
de um lazer, ou buscar novos desafios e enfrentar a realidade? Tudo deve ser
feito com ações moderadas e cautela, porém, prevenção e vigilância em excesso
pode privar nossa liberdade de atividades básicas da vida, como: amar,
aprender, experimentar.
*Psicólogo
(CRP-03/04531) e Pós graduando em Psicologia

Cristiano Bodart Bodart

Graduado em Ciências Sociais, doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP). Professor do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e docente do Centro de Educação dessa mesma instituição de ensino. Fundador e editor do Blog Café com Sociologia. Pesquisa as temática "movimentos sociais" e "ensino de Sociologia".

View more articles Subscribe
comment No comments yet

You can be first to leave a comment

mode_editLeave a response

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: