O conceito de trabalho em Max Weber

UFRN
Sociologia do Trabalho
Prof. Cesar Sanson[1]
A Reforma Protestante muda radicalmente a visão sobre o trabalho conduzindo-o a um pleno reconhecimento. Será através da Reforma, que o trabalho assumirá verdadeiramente um status de importância e contribuirá decisivamente para uma outra subjetividade manifesta no trabalho. Quem melhor traduziu o impacto das reformas protestantes, na valorização religiosa do trabalho, foi Weber em A ética protestante e o espírito do capitalismo [1905].

A ascensão espetacular do trabalho como um valor, sem precedente na história da humanidade, é explicada pelo sociólogo a partir da Reforma, apesar do tema do trabalho não ser central em sua obra. A questão central é a origem do racionalismo ocidental manifesta no capitalismo, porém, a concepção de trabalho através da religião, oferece para Weber (1967) a chave da compreensão do surgimento do racionalismo ocidental.

Weber procura demonstrar que, desde o início da Reforma assiste-se ao nascimento de
uma concepção espiritual do trabalho, bem como ao aparecimento de uma ética profissional, as quais constituíram um aspecto central do espírito do capitalismo, que favoreceu seu desenvolvimento no Ocidente (MÜLLER, 2005: 241).
                Atéentão, em toda a sua história, o trabalho era considerado de maneira ambivalente. O trabalho era indispensável para a reprodução biológica e social da humanidade, mas era indesejável. Sobre ele pesava uma condição de castigo e anulação da individualidade das pessoas. Essa visão ambivalente do trabalho é encontrada na cultura judaico-cristã que, apesar de estar na origem de mudanças profundas no sentido do trabalho, ainda não o sublinha como possibilidade de manifestação de um lugar social, uma vez que valoriza o trabalho manual
 na medida que serve a Deus (…) visto que todos devem trabalhar em nome e para a glória de Deus, eles são iguais enquanto cristãos e pessoas religiosas. (…) o trabalho se opõe ao ócio, ao repouso, ao descanso, ao sabbat (com Tomas de Aquino – o ficar sem fazer nada será apreciado, como tempo para vida contemplativa) (MÜLLER, 2005: 242).
                Apenas em Lutero, a formula ora et labora sublinhará a possibilidade de superação da ambivalência do trabalho no mundo religioso. Na teologia de Lutero, a igualdade entre os dois modos de vida não é antagônica. Lutero teve uma influência decisiva na concepção do significado do trabalho, “quando traduziu para o alemão o Novo Testamento (1522), empregando a palavra beruf para trabalho, em lugar de arbeit. Beruf, acentua mais o aspecto da vocação do que o do trabalho propriamente dito” (COSTA, 1990), ou seja, descaracterizando a concepção pejorativa do trabalho como expiação. Porém, será em Calvino que o trabalho assumirá um caráter ainda mais radical de valorização, passando mesmo a se tornar um dever. Para Calvino, “o trabalho profissional deveria formar uma muralha contra a preguiça, todos devem trabalhar – quem não trabalha não deve comer e o trabalho é um dever” (MÜLLER, 2005: 243-244).
                    A descoberta de Weber, da importância de Calvino, fez-se a partir da observação de que, na Alemanha, no começo do século XX, os capitalistas protestantes tinham sido melhor sucedidos em termos econômicos do que os seus correligionários católicos. Weber revela que Calvino demonstra um interesse maior do que Lutero pela vida econômica e social. Na concepção calvinista, “não somente a religião concernia a toda a vida – econômica, profissional, familiar –, mas tudo devia concorrer para a glória de Deus (…) e Calvino afirmará que ‘dentre todas as coisas deste mundo, o trabalhador é o mais semelhante a Deus’” (WILLAIME, 2005: 70). Na visão de Calvino, o trabalho é um sinal de graça. Ele abandona a idéia do trabalho como fonte de pecado original e mesmo como contemplação. Pelo contrário, o trabalho pode libertar o homem do sofrimento e se tornar agradável a Deus, na medida em que
o homem deve, para estar seguro de seu estado de graça, ‘trabalhar o dia todo em favor do que lhe foi destinado. Não é, pois, o ócio e o prazer, mas apenas a atividade que serve para aumentar a glória de Deus (…) É condenável a contemplação passiva, quando resultar em prejuízo para o trabalho cotidiano, pois ela é menos agradável a Deus do que a materialização de Sua vontade de trabalho (WEBER, 1967: 112)
Não trabalhar significa não prestar homenagem a Deus. Somente razões imperativas como a doença podem impedir alguém de trabalhar, mas optar por não trabalhar ou não fazer de tudo para encontrar um trabalho, é moralmente condenável. O ócio, assim como a preguiça, não são desejados por Deus e “o mais importante é que o trabalho constitui, antes de mais nada, a própria finalidade da vida” (WEBER, 1967: 113). Calvino considera ainda que o mal não está no dinheiro em si, mas no uso que se faz dele. Nessa ótica, o rico tem uma missão econômica providencial. Ele é “o ministro dos pobres”, os quais lhe dão a possibilidade de se liberar da servidão do dinheiro, testando sua fé e sua caridade. Segundo Weber, a doutrina do Calvinismo contribui para o desenvolvimento do capitalismo e para a importância do trabalho na medida em que, na sua teologia – a doutrina da predestinação –,
Deus decidiu desde o princípio quem, entre os crentes, compartilharia a salvação e quem seria condenado e não restaria alternativa a não ser travar uma luta diária para fazer jus à possível escolha de ser um dos eleitos de Deus.
Essa luta diária faz-se através de um enorme ativismo, alimentado por recomendações pastorais, afirmava Weber. De um lado, por manter-se como dever
de cada um considerar-se escolhido (…) A exortação é aqui interpretada como um dever
de obter certeza da própria dedicação e justificação na luta diária pela vida (…). Por outro lado, a fim de alcançar aquela autoconfiança, uma intensa atividade profissional era recomendada como o meio mais adequado (WEBER, 1967:77)
A incerteza da salvação pessoal deve ter gerado uma enorme angústia nos fiéis. Não se podia esperar ajuda alguma, nem de Deus, nem da Igreja, nem da comunidade religiosa, pois cada um encontrava-se na mesma situação e, além disso, os membros da comunidade eram concorrentes aos raros lugares salvadores no céu. Esse sistema fatalista, de individualização e incertezas, desencadeou “o trabalho encarniçado e o domínio do mundo” (MÜLLER,
2005: 246). A idéia subjacente é de que o trabalho é um meio de adquirir a independência e a confiança, e de fazer parte de ser um dos eleitos de Deus. O sucesso na vida terrestre, adquirido através do trabalho, não é certamente uma garantia de salvação, mas um sinal promissor. Esse modo de vida levou a uma conduta ética racional, uma espécie de ascetismo secular. Essa idéia puritana do trabalho profissional teve efeitos sobre a vida econômica em geral e sobre o modo de vida capitalista em particular. O puritanismo considera, ao contrário da leitura teológica anterior, a riqueza como desejável e apreciável. Então, o rico é abençoado e está no caminho da salvação; ao contrário, o pobre não tem reconhecimento social, despojado de prestígio em sua vida ociosa. A intuição de Weber é de que a ética protestante deu conteúdo a um espírito do capitalismo, tendo no trabalho um dos principais elementos:
a avaliação religiosa do infatigável, constante e sistemático labor vocacional [trabalho profissional], como o mais alto instrumento de ascese, e, ao mesmo tempo, como o mais seguro meio de preservação de redenção da fé e do homem, deve ter sido presumivelmente a mais poderosa alavanca da expressão dessa concepção de vida, que aqui apontamos como espírito do capitalismo (WEBER, 1967: 123).
A visão protestante, para além de uma valorização religiosa do trabalho, contribui para criar um “espírito” motivacional para o empreendedorismo. A contribuição de Weber é mostrar que o capitalismo ensejado pela Revolução Industrial tinha, em sua base, uma concepção de trabalho vinculada ao ascetismo secular do protestantismo. Foi essa concepção de trabalho, que liberou moral e eticamente os homens – os capitalistas – à aquisição de bens, à obtenção do lucro, à cobrança de juros e à acumulação de capital. Esse ethos – conjunto de
valores culturais – exortava que a acumulação do capital deveria ser reinvestida em novos empreendimentos que gerassem mais empregos. Esse círculo virtuoso – trabalhar, acumular e reinvestir – permitia o estabelecimento da
harmonia social. Será esse ethos que fomentará a atividade capitalista.
Observa-se portanto que, da completa desvalorização, o trabalho assume, ao longo da sociedade religiosa, uma mudança de sentido até se tornar referência para uma vida virtuosa. Num primeiro momento, na Idade Média, o trabalho é interpretado como castigo – subjaz a essa representação do trabalho uma subjetividade da insignificância da condição humana. O trabalho não é fonte de afirmação pessoal, coletiva ou mesmo espiritual, não compraz e não é valorizado. É visto como necessidade, uma penitência a ser realizada que se coloca em contigüidade à necessidade de sobrevivência. Efêmera, a vida é feita de trabalho penoso e árduo, infeliz e desafortunado. Mesmo aquele que não trabalha interpreta o trabalho dessa forma e considera-se venturoso porque possibilita a outrem a purgação do pecado original de toda a humanidade. A subjetividade manifesta é análoga aos que vivem do trabalho e aos que não vivem. Aqui, diferentemente do paradigma grego, o trabalho não é menosprezado no sentido de condição vil e execrável, como eram vistos os escravos, mas como condicionalidade para a Salvação de todos: aquele
que trabalha expia coletivamente a grave ofensa cometida contra Deus. O que está livre do trabalho penoso – pode-se pensar no senhor feudal – não olha os que vivem do trabalho com desprezo, mas como contingência causal a que todos foram submetidos, e que ele, por sorte e graça de Deus está livre, porém a sua Salvação depende daqueles que trabalham. A subjetividade manifesta nessa condição de trabalho é uma subjetividade resignada. Os que trabalham carregam um sentido de vida, mas é antes de tudo uma predestinação, não há uma alternativa.
Esse tipo de interpretação, vinculada ao trabalho, transita para uma outra subjetividade, dessa vez mais afirmativa, que permite um sentido mais dignificante para a vida de quem trabalha. Esse processo é lento, dura séculos, e não se faz perceptível cronologicamente. A reviravolta acontece com a passagem da interpretação do trabalho não mais como condenação, mas como possibilidade de exaltação à obra criadora de Deus. A mudança é significativa: o trabalho se faz como chance de alcançar a glória de Deus. Diferentemente do trabalho-castigo, o trabalho-glorificação dá um outro sentido a quem dele necessita. A fórmula ora et labora, reza e trabalha, é portadora de uma subjetividade afirmativa. A efemeridade da vida passa a ser vista como possibilidade de servir ao Deus Criador. A relação com o transcendente faz-se mais de parceria e menos de medo:
“Trabalho porque amo a Deus e não porque o temo”. Essa compreensão de trabalho dá um sentido diferente à vida. Trata-se de uma subjetividade que afirma uma positividade do trabalho. No trabalho encontra-se satisfação, não porque eleseja aprazível de ser realizado, mas porque confere significado à insignificância terrestre. É pelo e através do trabalho custoso, acerbo, sofrido, que se passa a justificar a existência.
Uma nova configuração dos aspectos subjetivos do trabalho ainda pode ser considerada na sociedade religiosa. Trata-se daquela advinda do significado do trabalho a partir dos preceitos impregnados na Reforma. Daquele momento em diante, definitivamente o trabalho afirma-se como um valor desejável, necessário e sinal de reconhecimento. A afirmação da pessoa humana passa pelo trabalho. A vida virtuosa completa-se no trabalho e é
condenável a vida ociosa. Todos devem trabalhar, inclusive aqueles que dele necessariamente não precisem. O trabalho passa a ser uma exigência social, e como tal, assume uma configuração de distinção junto aos outros. O trabalho, contrariamente ao que se afirmava antes, pode sim ser fonte de riqueza e quanto mais se amealha mais reconhecimento traz e mais agrada a Deus.
O sentido do trabalho para as pessoas e para a sociedade, portanto, vai se alterando e configurando distintas subjetividades.Passa-se de uma subjetividade resignada (trabalho-redenção), própria dos primórdios da sociedade religiosa do medievo para uma subjetividade afirmativa (trabalho-glorificação), até uma subjetividade da emancipação (trabalho-liberação) conquistada na ante-sala da ascensão do liberalismo. Afirma-se aqui a subjetividade da emancipação, no sentido de que o trabalho não é mais fonte de vergonha, mas a chave para a conquista da felicidade e de pertença social. Evidentemente que essa transição dos sentidos do trabalho é consoante a uma sociedade que se encontra no umbral da formação capitalista e serve, assim, de justificação à ascensão econômica da burguesia emergente. O sentido do trabalho sempre é socialmente construído e serve a algo, não está isolado ou pendurado acima da realidade social.
Referências:
WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Pioneira, 1967.
WILLAIME, Jean-Paul. As reformas e a valorização religiosa do trabalho. In: MERCURE, D.;
SPURK, J. (Orgs.). O trabalho na história do pensamento ocidental. Petrópolis (RJ): Vozes, 2005, p. 63-87.

 


[1]
Professor do Departamento de Ciências Sociais/UFRN. Doutor em Sociologia do
Trabalho pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).
Publicado originalmente em: http://docente.ifrn.edu.br/fabiolaaraujo/disciplinas/sociologia-do-trabalho/trabalho-em-weber
ronielsampaio@gmail.com

Graduado em Ciências Sociais pela UFPI, mestre em Educação pela UNIR e docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí.

View more articles Subscribe
Leave a response comment3 Responses
  1. Jackson
    novembro 14, 14:45 Jackson

    Bom texto!
    Weber nos ajuda a compreender a formação do capitalismo a partir de uma perspectiva religiosa, enquanto Marx tem uma perspectiva mais econômica.

    reply Reply this comment
  2. Daniel Magalhães
    julho 22, 04:01 Daniel Magalhães

    Olá Professor! Primeiramente, obrigado pelo post, o texto é bastante esclarecedor. Contudo, notei que há a citação de um MULLER (2005) que não consta no final, nas referências bibliográficas. Ficaria muito grato se pudesse me dizer de qual obra se trata. Desde já agradeço bastante!

    reply Reply this comment
    • ronielsampaio@gmail.com
      julho 25, 15:12 ronielsampaio@gmail.com

      Não tenho certeza até porque na publicação original não há referência. Mas creio que seja:

      MULLER, Hans Peter. Trabalho, profissão e “vocação”; o conceito de trabalho em Max Weber. In: MERCURE, Daniel; SPURK, Jan (Org.). O trabalho na história do Max Weber 917 rap — Rio de Janeiro 43(4):897-918, JUL./AGO. 2009 pensamento ocidental. Tradução de Patrícia Chittoni Ramos e Sônia Guimarães Taborda. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 237.

      reply Reply this comment
mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: