Você sabe o que é tabu?*

 

 

Você sabe o que é tabu?*

 

Por Cristiano das Neves Bodart
É comum as pessoas usarem a palavra “tabu” para designar uma regra quebrada. Porém, nem todas as regras são tabus. Alguns ainda dirão que trata-se de regras indiscutíveis que não podem ser mudadas. Nesse contexto o termo começa a se aproximar do significado original da expressão “quebrar tabus”, embora não seja esse o seu sentido original e mais adequado.
O termo “tabu” está, em seu uso mais adequado, diretamente associado à religião. Trata-se, mais precisamente, do elemento de “limite” e “negativo” da religião, podendo ser uma proibição ou um alerta. O termo surgiu na Polinésia e por meio dos relatos de viajantes Europeus do século XVIII se espalhou pelo ocidente, designando “coisa proibida”, “coisa não permitida”.
Durante muito tempo, quebrar um tabu era romper com um código de conduta estabelecido, e isso poderia causar prejuízos seríssimos ao violador. Quebrar um tabu era trazer sobre si a ira do sobrenatural. Para os crentes no sobrenatural, independente de religião, quebrar um tabu é se colocar sujeito à desgraças, acidentes, enfermidades e até à morte. Quebrar tabu é pecar, é desafiar o sobrenatural.
Porém, a quebra de tabu pode ser anulada por meio de rituais específicos de purificação. Isso é comum em quase todas as crenças. Há sempre uma segunda chance. Há religião, por exemplo, fundada no perdão, alongando essa possibilidade em até “setenta vezes sete”.
O tabu possui basicamente três objetivos claros:
  • Manter o temor no sobrenatural, a medida que reforça a ideia de castigo.
  • Unir os membros de um grupo social, separando-os de outros e ampliando a solidariedade do grupo;
  • Ser elemento básico de controle social: impões certas restrições em determinadas circunstâncias.
Os tabus são parte da estrutura normativa da religião. Sem eles o medo deixa de existir e os limites estabelecidos pela religião tornam-se vulneráveis. Quanto mais consolidados os tabus de uma crença, mais obedientes são os crentes às suas regras.
Retomando a expressão popular “quebrar tabu”, notamos que existe uma influência muito forte na origem da palavra tabu. De fato quebrar tabu trata-se de romper regras indiscutíveis que não podem ser mudadas, pois teriam sido estabelecidas por seres ou forças sobrenaturais.
A entrada, por exemplo, das mulheres no mercado de trabalho foi um tabu quebrado? A resposta é positiva, haja vista que em tempos passados as mulheres eram criaturas destinadas exclusivamente e divinamente ao lar, a madre e a submissão. Muitas mulheres foram castigadas por tentar quebrar esse tabu, outras apontadas como alguém debaixo do juízo dos deuses.
A proximidade do uso cotidiano da palavra tabu com o sentido original está associado diretamente e fortemente ao fato de termos uma sociedade impregnada pela religiosidade, onde as regras morais se fundem e se confundem com as regras religiosas, em outros termos, com os tabus.

*Originalmente publicado no Portal 27

 

Cristiano Bodart Bodart

Graduado em Ciências Sociais, doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo/USP.

View more articles Subscribe
comment No comments yet

You can be first to leave a comment

mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: