Para você nunca mais comemorar o Dia Internacional das Mulheres da mesma forma!

 

Dia internacional das Mulheres: uma pausa para a para reflexão da dominação masculina em elementos sutis*

 

Por Cristiano das Neves Bodart
 
Datas internacionais são, em muitos casos, não momentos de comemorações, mas de denúncias de injustiças ainda latentes no mundo moderno; e o dia Internacional das Mulheres é uma dessas datas. No caso da dominação masculina, tais denúncias devem desnaturalizar a posição de inferioridade da mulher na sociedade.
A denúncia deve ter como foco desnaturalizar uma dominação masculina que se manifesta de forma sutil e que se materializa de forma concreta. A divisão entre sexos se manifesta, muitas vezes, de forma quase imperceptível, porém eficiente para reproduzir a dominação masculina objetiva (quero me ater a esse tipo de dominação). Tal dominação notamos presente, por exemplo, na casa, onde as partes são “sexuadas”, sendo algumas vistas como tipicamente masculinas (sala) e outras tipicamente femininas (cozinha).O mesmo vale para profissões.
Quase não notamos a sutileza de muitas coisa e atividades que são sexualizadas, as quais marcam uma oposição camuflada entre masculino e feminino, como as noções de em cima/embaixo, frente/atrás, seco/úmido, quente/frio. Ao homem desejoso por sexo se diz: “você está pegando fogo”; à mulher, ao contrário, se diz que têm a capacidade de “apagar o fogo”, indicando quase sempre servidão ao homem, ou ainda “você está toda molhada”, como se lubrificação fosse de exclusividade das mulheres, embora a tenha com maior intensidade. Expressões como “ativo” e “passivo” está igualmente relacionada a dominação masculina, assim como por cima e por baixo. Ainda que em um relacionamento homoafetivo, o passivo será aquele que está em condição feminina. A ideia de possuir está associada ao masculino, assim como a ideia de poder e de tomar para si. Nas relações sociais em nossa machista sociedade, cabe ao homem possuir e a mulher jogar o jogo de se deixar ou não ser possuída. O ato sexual é visto, para os que estão em condições masculinas, como “conquista” e dentre as pessoas em condições femininas como “possuída”; por isso as comuns e horríveis expressões: “dar” e “pegar”.
Em uma sociedade onde o gozo masculino é, antes de tudo, gozo do gozo feminino, ou seja, do poder de fazer gozar, de mostrar-se viril, podemos afirmar que ela [a sociedade]está longe de ser igualitária. O ato de penetração, por exemplo, é símbolo de dominação, tanto que em casos de um homem ser forçado a receber penetração a dor maior se manifesta não de forma física, mas simbólica, pois ele foi “feito mulher”, perdeu sua posição de dominante e passou a ser dominado (pena comum aplicada por detentos à estupradores – “o fizeram mulherzinha”).
A questão da virilidade, que tem seu significado vindo da ideia de “qualidade da virtus, da honra”, que seria o princípio de conservação e do aumento da honra, está associada à prova masculina de potência sexual que se confirma muitas vezes com a defloração e com o apetite sexual aflorado. Para as mulheres o apetite sexual acentuado não é visto como virilidade, mas como um comportamento “pervertido”. No comportamento feminino, os braços devem estar cruzados sobre o peito e as pernas unidas simbolizando a barreia sagrada que protege seu órgão sexual socialmente constituída em objeto sagrado submetida a regras de acesso de contatos também sagrados. Assim espera-se das mulheres. Não que eu seja favorável a “libertinagem sexual” feminina, mas torna-se necessário denunciar a “libertinagem” masculina que, no fundo, é a manifestação e concretização de seu desejo de dominação sobre as “mulheres-coisas”.
Espero que não seja apenas no Dia Internacional da Mulher que venhamos a (re)pensar as formas de dominação, sobretudo as sutis, para que, entendendo as relações díspares de poder impregnadas por todos os lados, possamos realizar uma efetiva denúncia das práticas e dos símbolos que naturalizam a dominação masculina.

*Texto publicado originalmente no Jornal “Correio Regional”, em 08 de Março de 2013, p.2. (jornal impresso)

 

Cristiano Bodart Bodart

Graduado em Ciências Sociais, doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo/USP.

View more articles Subscribe
Leave a response comment1 Response
  1. Amanda
    novembro 05, 15:02 Amanda

    Seu texto me deixou feliz. É muito bom ver homens bons pensando, escrevendo ou verbalizando sobre atitudes que temos, mas não deveríamos. A autocrítica é algo que tem nos faltado como sociedade. Obrigada.

    reply Reply this comment
mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: