Para entender de uma vez o que é Tipo Ideal e Coxinha

 
O Tipo Ideal de Max Weber
Por Cristiano das Neves Bodart

Um termo muito usado recentemente nos ajuda a compreender o conceito de Tipo Ideal, de Max Weber*. Trata-se do termo “Coxinha”.

Quando adjetivamos alguém de “Coxinha” estamos pensando em um conjunto de características que os compõem, uma espécie de modelo padronizado, ainda quem ninguém possua todas essas características (voltaremos depois ao “Coxinha”).

De acordo com Weber, para que o sociólogo possa analisar uma dada situação social, principalmente quando se trata de generalizações, torna-se necessário criar um “TIPO IDEAL”, que será um instrumento que orientará a investigação e a ação do ator, como uma espécie de modelo ou tipo.

“Um conceito ideal é normalmente uma simplificação e generalização da realidade. Partindo desse modelo, é possível analisar diversos fatos reais como desvios do ideal: Tais construções […] permitem-nos ver se, em traços particulares ou em seu caráter total, os fenômenos se aproximam de uma de nossas construções, determinar o grau de aproximação do fenômeno histórico e o tipo construído teoricamente. Sob esse aspecto, a construção é simplesmente um recurso técnico que facilita uma disposição e terminologia mais lúcidas” (WEBER, apud BARBOSA; QUINTANEIRO, 2002, p.113).

 

 

O tipo ideal refere-se a uma construção mental da realidade, onde o pesquisador seleciona um certo número de característica do objeto em estudo, a fim de, construir um “todo tangível”, ou seja, um TIPO. Esse tipo será muito útil para classificar os objetos de estudo. Por exemplo, quando pensamos no “coxinha” temos em mente um conjunto de características em nossa mente dando origem a um todo idealizado (o Tipo Ideal).

 

 

O objetivo de Weber, ao utilizar o recurso “Tipo Ideal”, não é de esgotar todas possibilidades das interpretações da realidade empírica, apenas criar um instrumento teórico analítico. Exemplos de tipo ideal são o “homem cordial”, em Sérgio Buarque de Holanda, e o “Coxinha”.

 

 

“Um constructo de tipo ideal cumpre duas funções básicas: i) fornece um caso limitativo com o qual os fenômenos concretos podem ser contrastados; um conceito inequívoco que facilita a classificação e a comparação; ii) assim, serve de esquema para generalizações de tipo (…) que, por sua vez, servem ao objetivo final da análise do tipo ideal: a explicação causal dos acontecimentos históricos “(MONTEIRO; CARDOSO, 2002, p. 14).

O conceito de Coxinha se enquadra como um tipo ideal, algo muito próximo ao estereótipo, porém com objetivos analíticos e características mais próximas do real quanto possível.
Por meio da música “Classe Média, de Max Gonzaga, é possível identificarmos características que supostamente seria de um “Coxinha”.

Letra da música:

Sou classe média
Papagaio de todo telejornal
Eu acredito
Na imparcialidade da revista semanal
Sou classe média
Compro roupa e gasolina no cartão
Odeio “coletivos”
E vou de carro que comprei a prestação
Só pago impostos
Estou sempre no limite do meu cheque especial
Eu viajo pouco, no máximo um pacote cvc tri-anual
Mas eu “to nem ai”
Se o traficante é quem manda na favela
Eu não “to nem aqui”
Se morre gente ou tem enchente em itaquera
Eu quero é que se exploda a periferia toda
Mas fico indignado com estado quando sou incomodado
Pelo pedinte esfomeado que me estende a mão
O pára-brisa ensaboado
É camelo, biju com bala
E as peripécias do artista malabarista do farol
Mas se o assalto é em moema
O assassinato é no “jardins”
A filha do executivo é estuprada até o fim
Ai a mídia manifesta a sua opinião regressa
De implantar pena de morte, ou reduzir a idade penal
E eu que sou bem informado concordo e faço passeata
Enquanto aumenta a audiência e a tiragem do jornal
Porque eu não “to nem ai”
Se o traficante é quem manda na favela
Eu não “to nem aqui”
Se morre gente ou tem enchente em itaquera
Eu quero é que se exploda a periferia toda
Toda tragédia só me importa quando bate em minha porta
Porque é mais fácil condenar quem já cumpre pena de vida

* É importante destacar que Max Weber nunca tratou o conceito de coxinha e certamente usaria outros exemplos para destacar o que seria Tipo Ideal, sobretudo por questões de posicionamentos ideológicos, ainda que ele  defendesse a neutralidade axiológica (coisa que os coxinhas ainda acreditam rsrs).

Cristiano Bodart Bodart

Graduado em Ciências Sociais, doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo/USP.

View more articles Subscribe
Leave a response comment6 Responses
  1. Igor Mendes
    março 22, 22:42 Igor Mendes

    Faltou falar a origem do termo, só pra ficar mais clara a associação.

    reply Reply this comment
  2. Isabela
    março 23, 15:04 Isabela

    Verdade..queria saber a origem do termo coxinha também….

    reply Reply this comment
  3. António Jesus Batalha
    março 23, 20:30 António Jesus Batalha

    Ao passar pela net afim de encontrar novos amigos e divulgar o meu blog, me deparei com o seu que muito admiro e lhe dou os parabéns, pois é daqueles blogs que gostaria que fizesse parte de meus amigos virtuais.
    Se desejar visite o Peregrino E Servo. Leia alguma coisa e se gostar siga, Saiba porém que sempre vou retribuir seguindo também o seu blog.
    Minhas cordiais saudações, e um obrigado.
    António Batalha.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    reply Reply this comment
  4. Sil Godiano Leão
    abril 29, 16:22 Sil Godiano Leão

    Essa música definitivamente não representa o termo "coxinha" dentro do contexto social atual. Não concebo o "coxinha" como um ser alienado e agoista, mto pelo contrário.

    reply Reply this comment
  5. Sil Godiano Leão
    abril 29, 16:22 Sil Godiano Leão

    Essa música definitivamente não representa o termo "coxinha" dentro do contexto social atual. Não concebo o "coxinha" como um ser alienado e agoista, mto pelo contrário.

    reply Reply this comment
  6. MARIZA
    julho 30, 11:20 MARIZA

    FALOU, FALOU, E NÃO CHEGOU NA EXPLICAÇÃO DO TERMO COXINHA. QUE É UM “TIPO IDEAL”….É CERTO, MAS O QUE ESTÁ INSERIDO NO TERMO COXINHA? COMO SE REFERIRA LULA E MARISA LETÍCIA ÀS PESSOAS QUE LÁ ESTAVAM EM MANIFESTAÇÃO. PESSOAS BARATAS? AFINAL A COXINHA NÃO É CARA. QUALQUER UM PODE OBTER, TEM EM QUALQUER ESQUINA, EM QUALQUER BOTECO, SÃO SEMPRE IGUAIS, O QUE VAI ALÉM DO TERMO. OS SOCIÓLOGOS PODERIAM ESTUDAR O TEMA “COXINHA” E SUAS INTERPRETAÇõES NÃO ACHA?

    reply Reply this comment
mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: