Dica de aula Identidade: muito mais que um documento

Dica de aula Identidade: muito mais que um documento

Dica de aula identidade: Todos nós temos

 

Tema: Identidade: muito mais que um documento

 

Por Cristiano das Neves Bodart

 

 

 
A proposta dessa postagem é indicar alguns caminhos para trabalhar em sala de aula a temática identidade.

 

 

1. Objetivos:

  • Introduzir a temática da identidade cultural;
  • Apresentar a proposta de trabalho educacional para o quarto bimestre;
  • Conhecer os alunos e a estrutura física da escola.

2. Desenvolvimento da aula:

1° Momento (10 min.)

· Apresentação da música “Teatro dos Vampiros”.

· Discussão acerca da letra da música, buscando identificar qual das preocupações contidas nela dizem respeito ao jovem de hoje.

2° Momento (20 min.): Preenchimento do questionário sobre a “identidade” de cada aluno.

3. Estratégias de Ensino-aprendizagem:
 

 

·
Debate do tema em sala de aula.
 
Recursos
Didáticos:
 
·
Data show;
·
Aparelho de som e CD da Legião Urbana com a música “Teatro dos Vampiros”;
·
Modelo de Identidade fotocopiado.
4. Referências:
LEGIÃO URBANA. Teatro dos Vampiros. In: ______. Acústico
MTV
. S.l: EMI Records,
1992. 1 disco sonoro.
 
 
 
Modelo de “identidade”:
 
 Identidade a
ser preenchida pelos alunos:

 

 
Letra da
Música
“Teatro dos Vampiros” 

 

Sempre precisei
De um pouco de atenção
Acho que não sei quem sou
Só sei do que não gosto
Nesses dias tão estranhos
Fica a poeira se escondendo pelos cantos

Esse é o nosso mundo
O que é demais nunca é o bastante
A primeira vez
Sempre a última chance
Ninguém vê onde chegamos
Os assassinos estão livres
Nós não estamos

Vamos sair
Mas não temos mais dinheiro
Os meus amigos todos estão
Procurando emprego
Voltamos a viver
Como à dez anos atrás
E a cada hora que passa envelhecemos dez semanas
Vamos lá tudo bem
Eu só quero me divertir
Esquecer desta noite
Ter um lugar legal pra ir
Já entregamos o alvo e a artilharia
Comparamos nossas vidas
Esperamos que um dia nossas vidas possam se encontrar

Quando me vi tendo de viver
Comigo apenas e com o mundo
Você me veio como um sonho bom
E me assustei
Não sou perfeito
Eu não esqueço
A riqueza que nós temos
Ninguém consegue perceber
E de pensar nisso tudo
Eu, homem feito
Tive medo e não consegui dormir

Vamos sair
Mas não temos mais dinheiro
Os meus amigos todos estão
Procurando emprego
Voltamos a viver
Como à dez anos atrás
E a cada hora que passa envelhecemos dez semanas
Vamos lá tudo bem
Eu só quero me divertir
Esquecer desta noite
Ter um lugar legal pra ir
Já entregamos o alvo e a artilharia
Comparamos nossas vidas
E mesmo assim
Não tenho pena de ninguém.
 
 
 
 
 
 
 
Cristiano Bodart

Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP), professor do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Docente do Centro de Educação da Ufal.

View more articles Subscribe
comment No comments yet

You can be first to leave a comment

mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: