Goffman e o interacionismo simbólico – Primeira parte

Por Cristiano Bodart

Erving Goffman ficou mais conhecido pela metáfora do teatro, que foi sua primeira etapa de desenvolvimento acadêmico.

O termo Interação simbólica foi criado por Hebert Blumer, cuja teoria tem como ênfase a simbologia da interação.
 
Os Pontos principais do interacionismo simbólico (mais geral)são: os
atores agem em função do sentido que os indivíduos dão à ação, a qual é reciprocamente orientada; O sentindo nunca é independente da interação; As interações ocorrem por meio de uma lógica própria.
 
Nessa teoria, a “sociedade” é mais um processo do que estrutura –  as regras da estrutura social não determinam as ações –  apontando para uma microssociologia.
 uma atenção na “ação/interação” e não na ordem social, ou seja, presa pelo estudo da ordem da interação, sendo as relações face à face privilegiadas.
 
Para essa teoria cabe a sociologia estudar (procedimentos) os arranjos que os indivíduos usam para se colocarem em interação.
 
Grosso modo, o interacionismo simbólico caracteriza-se como uma abordagem que busca se distanciar da análise que use qualquer entidade coletiva.
 
Goffman, contrariamente a ideia de Blumer, acredita que as estruturas influenciam sim as ações sociais, embora não seja um ponto central em sua obra. Para dar conta dessa observação desenvolveu posteriormente a ideia de “quadros”.
 
Contrariamente, na etnometodologia, desenvolvida por Harold Garfinkel, entende que não existe nenhuma influencia da estrutura nas relações sociais. Acredita que é possível explicar a realidade social pela observação da interação (ver “a clausula da reticência” de Garfinkel, onde a fala tem a função de manter a comunicação e não necessariamente trocar informação).
 
Goffman se afasta do interacionismo simbólico por acreditar que há uma pré-figuração nas ações sociais, marcada pela estrutura. Existe, para ele, duas ordem: a ordem social e a ordem da interação.
 
Para o Garfinkel a ordem da interação independe da ordem social. Goffman, embora afirme que a sociologia deveria focar na ordem da interação, acredita que esta está em parte configurada pela ordem social. Para Garfinkel são as ações que determinam a estrutura e não o inverso. 
O Goffman reconhece que o foco deve estar na ordem da interação, mas que não se pode descartar a ordem social, buscando compreender que tipo de relação há e cada caso (Quadro da Interação – as situações não são sempre iguais, pois os quadros não são sempre os mesmos – os quadro faz com que haja um pré-agenciamento).
Exemplo: os indivíduos ao participarem de uma reunião sabem, por experiências anteriores, qual o quadro  (estrutura, regras… pré-existentes) existente. Assim projetam suas ações. Claro que muitas vezes ocorrem fenômenos novos e não esperados, os quais se sobrepõem ao quadro.
Assim como no teatro existem toda a estrutura previamente construída e os atores buscam seguir o scrípt, mas que a cada apresentação alguns elementos novos inesperados acabam aparecendo.
 .
.
.
.
 
Cristiano Bodart Bodart

Graduado em Ciências Sociais, doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo/USP.

View more articles Subscribe
comment No comments yet

You can be first to leave a comment

mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: