O que pede nossa juventude: A nova onda do Fuhrer

 

Rafael Ademir Oliveira de Andrade
            Os
pensamentos que me levam a escrever este texto são as opiniões apontadas nas
variadas redes sociais após o dia em que o Congresso Nacional aprova a
tramitação do processo de impedimento da atual presidente do Brasil. Era de se
esperar que as coisas que ali ocorreram pudessem levar a uma reflexão da
sociedade brasileira, agora aparentemente mais envolvida com política, sobre os
novos caminhos do país.

As coisas que ali ocorreram
– para os historiadores do futuro: cuspes, homenagem à estuprador de mulheres,
torturador de crianças, papagaios de votação, homens corruptos votando em nome
de Deus sendo comandados por um corrupto, pequenas confusões e muitas
manifestações de que o povo brasileiro é representado por pessoas ignorantes e
não humanas.

            Mas
o que ocorreu foi justamente o contrário. O povo brasileiro representado pelas
redes sociais falou justamente das coisas pequenas que escrevi no parágrafo
anterior e, o que é pior, defendeu o parlamentar que homenageou o torturador.
Muitas das vezes falando que o cuspe também é uma ofensa, outras vezes falando
dos ditadores socialistas também torturadores e resgatando a ficha criminal da
presidente do país.
            O
que me incomoda profundamente é o teor e a intenção destas falas. O objetivo
das publicações e afirmações é defender a figura de um político. Político este
que faz apologia a muitos aspectos não humanitários, dentre eles a morte de
pessoas em conflito com a lei (o que nos faz pensar: se o processo de
impedimento é conduzido por alguém que possui divisas no exterior sem declarar,
que tipo de bandido queremos morto?), o fim das punições para violências de
gênero, armar uma população histórica e cotidianamente violenta e,
especialmente, a volta da ditadura militar.
            Meses
atrás, publicações foram lançadas falando sobre casas, mansões, sítios de
políticos envolvidos em escândalos de corrupção. Sem pestanejar, os internautas
compartilharam, afinal, estamos falando de um crime contra a população. O mesmo
não foi feito quando o irmão do deputado Jair Bolsonaro é funcionário fantasma
da ALESP e quando foram descobertos imóveis de 1 milhão comprados por 400 e 500
mil pelo mesmo, o que resultou em um aumento de declaração de receita de 2,2
milhões em quatro anos.
            A
questão aqui colocada é, além das questões partidárias, o que fez as massas escolherem que um tipo de superação da democracia é certa e a outra não? E que
uma pessoa pode ter bens ilícitos e outra não, mesmo que ambos lados sejam
apenas afirmações ainda não comprovadas? Por qual motivo condena-se um e do outro,
espera-se um julgamento do outro ou nem isto?
            Na
escrita de minha
dissertação
analisei o posicionamento do ensino de Sociologia frente à
sociedade de massas. Usei alguns autores que trabalham com este conceito e são
estes que me dão certa visão sobre os processos atuais e gostaria de
compartilhar estas visões para somar as já adquiridas. Hoje vejo que é preciso
repensar minha dissertação pois nunca a cultura massificada foi tão forte no
Brasil, ela não era tão violenta assim, envolvendo questões menos passionais.
Estas reflexões ficam para outro momento.
            A
primeira fala que gostaria de levantar é de Adorno e Horkheimer em Indústria
Cultural e Sociedade (2002). Neste livro de pequenos ensaios, os autores irão
falar sobre a força que tem os meios de comunicação de massa sobre a população,
em construir desejos e opiniões. Este processo se dá pela reprodução destas
opiniões de forma simplificada, repetitiva e de amplo acesso às diversas
classes sociais.
Isto quer dizer que se for
repetido várias vezes que a única solução para o país é a volta da ditadura militar-
pois nela não havia corrupção e crime-  mesmo que isso não seja verdade, a população
tende a acreditar pois alguns meios de comunicação são considerados “legítimos”
por serem associados à partidos políticos, movimentos sociais, políticos e
canais também “legítimos”. A partir de então, os fatos serão contrapostos a
estes “canais de legitimidade” e, em sua grande maioria, negados frente às
afirmações daqueles partidos, movimentos e políticos de “moral incorrupta” ou
“um mal necessário”.
Soma-se à esta capacidade da
Indústria Cultural uma característica levantada pelo filósofo espanhol Ortega y
Gasset (2002) das massas serem orientadas pela opinião não refletida. A opinião
é a primeira e a última fase da reflexão das massas, não estando aberta ao
diálogo, classificando aquele que não compartilha da mesma opinião em uma
categoria inferior (no Brasil, “esquerdopata” ou “comunista vagabundo”, na
Alemanha nazista, “judeu porco”), retirando sua humanidade, sua cidadania e
diminuindo suas capacidades, o objetivo é a manutenção da opinião como verdade.
O resultado deste cenário
não pode positivo ser continuarmos caminhando nesta direção. Vivemos uma
espécie de “ditadura da opinião” que não surge espontaneamente das massas, mas
que é dirigida por meios de comunicação especializados, e quando temos um
cenário desta configuração não é preciso aprovação total da população,
lembrando que o Partido Nacional Socialista Alemão nunca teve mais do que 32%
dos votos do povo alemão.
O temor da população menos
raivosa é que possa se instaurar uma forma mais eficaz de ditadura burguesa ou
uma ditadura militar, o que viria a ser o fim dos diálogos, já diminutos, entre
Estado, movimentos sociais e população e a expansão do domínio das classes mais
poderosas sobre o povo, tudo isto sancionado pelo silêncio das massas: a
indústria cultural voltaria a produzir silêncios e felicidades artificiais,
parafraseando o romancista Aldous Huxley, autor de Admirável Mundo Novo e
Paraísos Artificiais.
O título desta publicação
tenta sintetizar exatamente o que lemos. Me assusta muitos de nossos jovens e
crianças, sem leitura, diálogos ou experiências de vida idolatrarem e
defenderem cegamente uma pessoa que defende torturadores e acha que “torturar
foi pouco, deveria ter matado”, dentre outras atrocidades, afinal, o futuro do
Brasil está nas mãos dos mesmos.
E faço uma aproximação com a
animação “A nova onda do imperador”, onde um personagem da Disney tenta
recuperar seu trono após ser transformado em um animal. A nova onda fascista
que assola nossa juventude é a forma mais cruel da indústria cultural e do
pensamento de massas, pois exclui o direito à diversidade de vidas e
pensamentos e fomenta o ódio e a rebelião contra setores específicos da
sociedade enquanto salva alguns. A nova onda fascista quer o poder recuperado,
mesmo após ter sido rechaçado pela população. E a magia que se pretende
realizar está ocorrendo, só ligar a televisão ou acessar as redes sociais: a
magia do ódio.
Referências:
ADORNO, Theodor & HORKHEIMER, Max. Indústria Cultural e Sociedade. Trad.
Julia Elisabeth Levy. São Paulo: Paz e Terra, 2002.
ORTEGA Y GASSET, José. A Rebelião das Massas. Trad. Marylene Pinto Michel. São Paulo:
Martins Fontes, 2002.
*Cientista Social e Mestre em Educação
(UNIR). 
Professor na Faculdade São Lucas, Porto Velho. Contato em rafael_ademir@hotmail.com

 

ronielsampaio@gmail.com

Graduado em Ciências Sociais pela UFPI, mestre em Educação pela UNIR e docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí.

View more articles Subscribe
Leave a response comment3 Responses
  1. bookblog
    maio 09, 20:25 bookblog

    kkkkkkkkkkkkkkk

    reply Reply this comment
  2. Flavius Weiss
    maio 15, 02:11 Flavius Weiss

    Perfeita reflexão,pessoas que não convivem respeitosamente com a diversidade de opinião não são dignas de serem democratas!Quanto ao exército de acéfalos neo direitistas,serão os primeiros a serem eliminados quando perceberem,os equívocos da nova ordem,e resolverem se rebelar de forma idêntica à outrora. Basta lembrar do fato histórico do expurgo de Moscou de 1934(ah,muitos deles não leem história) esse cometido por um ditador de esquerda,e o fato fictício literário do romance 1984 de George Orwell,onde um conhecido militante governista ,do personagem Winston,desaparece pelas mãos da repressão do Big Brother por ser considerado muito proativo e portanto,subversivo suspeito.

    reply Reply this comment
  3. Vivian
    maio 15, 11:49 Vivian

    Boa reflexão! A repetição de discurso midiático se alastra em todas as redes sociais. Muitos não sabem e não entendem o que compartilham. Apenas são repetidores dessas ideias falaciosas que a mídia quer disseminar.

    reply Reply this comment
mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: