Ícone do site Blog Café com Sociologia

Rousseau e as mulheres

Rousseau e as mulheres
EMILIO OU DA EDUCAÇÃO
Por Cristiano das Neves Bodart
 >
Rousseau e as mulheres: Rousseau buscou, no livro V de sua obra Emílio ou Da Educação, apontar o tipo ideal de mulher, tomando como exemplo Sofia.
 >
“Sofia deve ser mulher, como Emílio é homem” (p.515). A partir dessa afirmativa, Rousseau busca apontar as diferenças existentes entre os homens e as mulheres. Para este autor, homens e mulheres são iguais em tudo, porém se diferenciando em tudo o que depende do sexo. Tais diferenças devem influir sobre a moral de ambos, por isso devem ter educações diferentes.
 >
Para Rousseau, ele deve ser ativo e forte, ela passiva e fraca; “é preciso necessariamente que um queira e possa; basta que o outro resista pouco” (p.516).
 >
A mulher, na óptica desse autor foi criada para agradar ao homem. O homem agradar a mulher não é uma necessidade direta. Seu agrado é natural e vem de sua potência, de sua força: Essa é a lei da natureza, afirmou Rousseau.
 >
Cabem apenas as mulheres, via sedução, que lhes é própria, buscarem mexer com os sentidos dos homens, desde que de forma moderada, se não traria à ruína dos dois gêneros. A astúcia é um talento natural das mulheres. Como as mulheres são naturalmente mais fracas do que os homens, se eles se enfraquecerem elas tornarão mais fracas ainda, por isso a astúcia desse ver prevenida de abusos.
 >
A beleza das mulheres é algo natural. Ou se é bonita ou feia. Os enfeites são apenas vaidade da posição social e não torna uma mulher feia em bela. Os benefícios dos enfeites não aqueles esperados, comparado com o tempo perdido na arrumação.
 >
“A rispidez dos deveres relativos a ambos os sexos não é nem pode ser a mesma” (p. 521). Ao realizar esta afirmação, o autor defende que a mulher não deve reclamar da desigualdade existente entre os sexos. Para ele, isso não é fruto do preconceito, mas da razão.
 >
O homem que trai sua mulher com outras é injusto e bárbaro, mas a mulher que assim procede acaba com a família. Não importa que a mulher seja apenas fiel, mas que o seja pelo marido e por todos. Rousseau defende que mulher deve ter uma preocupação com a sua aparência, com sua moral, com a forma como os outros a enxergam. O autor afirma que uma mulher que se passa um dia por infame possa um dia se regenerar, por isso deve ter um cuidado espacial com seu comportamento.
 >
A mulher, afirmou Rousseau, vale mais como mulher do que como homem. Isso devido sua condição de fraqueza física. A esta deve se cultivar as coisas belas e frágeis, como o canto e dança, desde que aquele ensinado pelo seu pai e este por sua mãe.
 >
As mulheres devem aprender a serem mães e esposas, essa é a lei da natureza, defendida por Rousseau. Devem ter pouca liberdade e isso é necessário ensinar desde tenra idade. A mulher deve desde cedo conhecer para amar a vida doméstica e tranqüila de um lar, para que esta possa ter uma vida dentro da moralidade que lhes cabe. Assim tornar-se-á mais bela e encantadora.
>>
>
Obs: ao ler o texto desse autor, tomar cuidado para não cair no anacronismo.
 


>
Referência
ROUSSEAU, J.J. Emílio ou Da Educação. Trad. Roberto Leal Ferreira. Martins Fontes. 2ª Ed. São Paulo. Martins Fontes. 1999.

Sair da versão mobile