Para para de uma vez com essa história que o Brasil era melhor ontem!

 
De como a História faz falta e… a frase “O povo quer voltar a sonhar!”
Por Cristiano das Neves Bodart
Não se trata de defender quem hoje está no Governo. Se trata de denunciar a ignorância instalada na sociedade desde às caravelas. Ignorância essa que, como dizia Umberto Eco, tornou-se mais perceptível pelo fato das redes sociais tornar-se microfones de qualquer um, idiota ou não.
“O povo quer voltar a sonhar!” Se por sonhar entendemos o ato de não viver a realidade, a frase carrega uma grande verdade. Conhecer ofusca a visão, já dizia Platão por meio de sua alegoria conhecida como “mito da caverna”. Nos tempos idos, mas não remotos, a percepção da corrupção era praticamente inexistente, pois o coronelismo, e depois a ditadura militar, impediam o seu desvelamento. O povo vivia um sonho, uma realidade fictícia construída por interesses de grupos. Porém, tínhamos uma sociedade ainda mais desigual e marcada pela precariedade socioeconômica, com IDH assustador. O desenvolvimento industrial foi excludente e o “bolo” repartido com alguns poucos, em “festas de bacanas”. A grande maioria hão havia sido convidado, como protestava Cazuza. Querer não ver é parte da posição do maior cego. Não desejo “voltar” a sonhar. Desejo ver um país real, onde o Ministério Público denuncia, a Polícia Federal e a justiça condena corruptos, sobretudo grandes empresários que se beneficiavam de forma indevida de grandes obras e prestações de serviço. Não quero fechar os meus olhos. Eu não quero voltar a sonhar!
Gritam: “O povo quer voltar a sonhar!” Se por sonhar entendemos uma vida melhor, a frase está equivocada. Voltar a quando? Quando tivemos um país melhor? Quando éramos um Império marcado pela escravidão? Quando éramos um país ditado pela lógica do coronelismo e do patrimonialismo? Quando vivíamos debaixo da Ditadura civil e a Militar? Seria nos anos de 1980, conhecida como década perdida? Ou quando nos anos de 1990, momento que estávamos mergulhado em uma inflação que massacrava os mais pobres? Voltar para quando? Para os anos 2000, marcados pelo desemprego e as constantes reportagens de pessoas que morriam de fome no Nordeste e no Norte brasileiro? Se sonhar significa “vida melhor”, não entendo o emprego do verbo “voltar” utilizado na frase. Acha mesmo que já estivemos em melhores condições enquanto nação? Dê uma fuçada nos dados estatísticos referentes ao índice de Gine e ao ao IDH, por exemplo (pena que esses existem a poucas décadas, o que impede uma comparação de longa duração). Busque dá uma espiada nos dados referentes ao analfabetismo, aos números de matrículas da escola básica e no ensino superior. Busque o número de projetos sociais praticados pelos governos para atender quem mais precisa. Alguns irão dizer que antes a escola era melhor, o que é verdade. Pena que gente como eu, não tinha lugar nela… não era para o povo. Quando antes tivemos mais direitos garantidos? Quando antes tivemos mais participação social na gestão pública? Quando antes havia mais transparência das contas públicas? Quando antes era mais fácil identificar atos de corrupção? Quando antes se discutia questões de igualdade? Quando antes tivemos mais gente escrevendo e lendo (ainda que apenas nas redes sociais)? Quando? Voltar para quando?
No sentido de desejar o melhor, a frase mais sensata, seria “O POVO MERECE SONHAR!” Ou “O POVO QUER SONHAR AINDA MAIS”. Não dá para dizer que o ontem era melhor do que o hoje. Isso é desconhecer nossa história… e não se trata de dizer que partido A ou B deva assumir ou permanecer no poder. Isso é outra longa história.
Outra possibilidade de frase correta seria a exclusão da palavra “povo” e inclusão da palavra “elite”. Acredito que essa alteração é mais fácil de ser feita, uma vez que historicamente acostumou-se excluir o povo em detrimento da centralidade da elite.
Eu quero sonhar mais! Está bom como está? Certamente não; mas sejamos honestos e consciente e vamos exigir mais e não menos. “Avançar” é somar, “voltar” é subtrair. Com o velho teremos o que já bem conhecemos. Se não conhecemos, tomemos nesta hora os livros de História do Brasil.
Cristiano Bodart Bodart

Graduado em Ciências Sociais, doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo/USP.

View more articles Subscribe
Leave a response comment4 Responses
  1. Rosali
    março 16, 05:06 Rosali

    Realmente, se conhecermos a História, os fatos, como evoluíram, ninguém vai querer voltar ao passado, nem por um momento. Exclusão, grandes desigualdades sociais, falta de liberdades individuais, ausência da democracia. Nunca Mais!!!

    reply Reply this comment
  2. Jorge Junior
    março 17, 01:30 Jorge Junior

    Com certeza exista uma grande separação, do prova da elite,em que o primeiro citado assim seja e espero não volte a ocupar o lugar que ocupava, que não seja mais lembrado nas tristes estatísticas!

    reply Reply this comment
mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: