Breve biografia de Zigmunt Bauman

tamanho-imagem-postlink-facebook-Recovered Breve biografia de Zigmunt Bauman
Breve biografia de Zigmunt Bauman

Por Cristiano das Neves Bodart

Zygmunt Bauman nasceu na Posnânia, em 19 de novembro de 1925 e faleceu em Leeds, Reino Unido, no dia 9 de janeiro de 2017. Deixou um legado impressionante, sendo reconhecido com um dos maiores sociólogos contemporâneos.

Quando criança era um aluno esforçado e um ávido leitor. Ao contrário do que se imagina, Zigmunt Bauman não era um filósofo profissional antes de engajar-se na Sociologia.

No ano de 1939, aos 14 anos Bauman, com sua família, foi, para a União Soviética após a invasão e anexação da Polônia a fim de fugir dos horrores do holocausto, uma vez que era filho de judeus poloneses não praticantes.

Na Rússia, aos 16 anos, desejando compreender e desvendar os mistérios do universo teve interesse em cursar de Física na Rússia. Como os imigrantes não tinham autorização para morar nas cidades grandes, onde estavam as universidades, matriculou-se em um curso à distância. Contudo, no segundo ano do curso, com 18 anos, interrompeu os estudos para servir ao exército polonês.

Sua opção por servir ao Primeiro Exército Polonês, controlado pelos soviéticos, deu-se por ver nisso um caminho para retornar a sua terra natal. Deixou o exército em 1944, após a II Guerra Mundial, retornando para a Polônia.

Ao retornar para uma Polônia destruída pela guerra e desejoso de vê-la se reconstruindo e se modernizando (mais humana e melhor estruturada para promover a felicidade e a dignidade humana) se aproximou da ciência da Sociedade. Como afirmou em uma entrevista concedida em 2003:

“Imagino que a crença de que a sociologia poderia melhorar a vida humana ao reformar o meio social no qual esta se conduzia era parte integral do “projeto de modernidade”. Até mesmo diria que o projeto consistia exatamente nisso. Assim, as pessoas que estavam seriamente empenhadas em levar a sociedade a desenvolver condições mais desejáveis – a fim de ser “moderna”, ou seja, mais humana e melhor estruturada para promover a felicidade e a dignidade humanas – não titubeavam um instante sobre que tipo de conhecimento deveria ser com mais urgência adquirido, dominado e colocado em prática. Certamente só poderia ser a ‘ciência da sociedade’, a sociologia, a disciplina que surgira para servir ao ‘projeto de modernidade’.” (Entrevista a concedida a Maria Lúcia Pallares-Burke. Tempo Social, 16(1):301–325. p. 304).

Na Polônia ingressou na Faculdade de Filosofia e Ciência Sociais da Universidade de Varsóvia, onde foi “educado e treinado no Departamento de Filosofia e Sociologia”. Porém, por conta de extinção (por razões ideológicas do Estado) do curso de Sociologia migrou para o curso de Filosofia. Fez mestrado em Filosofia e doutorou-se em Sociologia, por isso suas análises perpassam por essas duas áreas do saber. Porém esteve mais próximo das aulas de Filosofia, pois

Sua carreira como professor teve início em Varsóvia, onde se formou, e findou-se em Leeds, onde se aposentou, em 1990.

Depois de cursar o mestrado (entre 1950 e 1954), em 1954, tornou-se professor assistente na Universidade de Varsóvia. Lá cursou seu doutorado em Sociologia, tendo defendido sua tese no ano de 1956. Entre os anos de 1956 e 1957 passa um ano na London School of Economy, realizando um pós-doutorado sobre as classes operárias inglesas. Permaneceu como docente na Universidade de Varsóvia até 1968, ano que foi demitido por conta de sua ligação ao comunismo e por sua origem judia. Foi para Israel lecionar na na Universidade de Tel Aviv. Em 1971 recebeu e aceitou o convite para atuar como professor em Leeds, Inglaterra, de onde nunca mais saiu.

Sua produção aumentou significativamente após sua aposentadoria, em 1990. Autor de dezenas de obras traduzidas em diversas línguas, inclusive para o Português (ver obras na lista abaixo). Sua importância se vê na influência sobre diversos estudos e as obras dedicadas ao estudo de seu pensamento.

Indiferente às fronteiras disciplinares, Bauman é um dos líderes da chamada “sociologia humanística”tendo abordados diversos temas amplos, variados e especialmente focalizados na vida cotidiana. Holocausto, identidade, política, globalização, sociedade de consumo, amor, comunidade, individualidade são algumas das questões de que tratou

Bauman foi um crítico dos governos neoliberais que promovem e estimulam as chamadas forças do mercado, ao mesmo tempo em que abdicam da responsabilidade de promover a justiça social. Defensor do socialismo, o definindo como “uma faca afiada prensada contra as flagrantes injustiças da sociedade”.

Casou-se com Janina (que se tornou em Varsóvia editora de roteiros cinematográficos), com quem esteve casado até sua morte, e com quem teve três filhas: Anna (matemática), Lydia (pintora) e Irena (arquiteta).

Bauman cunhou a expressão “Modernidade Líquida” para classificar a fluidez do mundo moderno onde os indivíduos não possuem mais padrões de referências por conta das rápidas mudanças.

No Brasil as obras de Bauman passam a ser amplamente procuradas, sendo referência para diversos trabalhos científicos, inclusive havendo um periódico especializado em se aprofundar em suas ideias (Cadernos Zygmunt Bauman).  Bauman não é um autor de consenso na academia, contudo suas obras estão cada vez mais alcançando leitores de fora dos muros das universidades, o que indiscutivelmente corrobora para que a Sociologia seja mais conhecida pela sociedade em geral. Dos mais de 50 livros que publicou, mais de 30 já foram traduzidos no Brasil (Zahar Editora 2014), sobretudo os mais atuais.

 

Entrevistas

 

Livros

1957: Zagadnienia centralizmu demokratycznego w pracach Lenina [Questions of Democratic Centralism in Lenin’s Works]. Warszawa: Książka i Wiedza.

1959: Socjalizm brytyjski: Źródła, filozofia, doktryna polityczna [British Socialism: Sources, Philosophy, Political Doctrine]. Warszawa: Państwowe Wydawnictwo Naukowe.

1960: Klasa, ruch, elita: Studium socjologiczne dziejów angielskiego ruchu robotniczego [Class, Movement, Elite: A Sociological Study on the History of the British Labour Movement]. Warszawa: Państwowe Wydawnictwo Naukowe.

1960: Z dziejów demokratycznego ideału [From the History of the Democratic Ideal]. Warszawa: Iskry.

1960: Kariera: cztery szkice socjologiczne [Career: Four Sociological Sketches]. Warszawa: Iskry.

1961: Z zagadnień współczesnej socjologii amerykańskiej [Questions of Modern American Sociology]. Warszawa: Książka i Wiedza.

1962 (with Szymon Chodak, Juliusz Strojnowski, Jakub Banaszkiewicz): Systemy partyjne współczesnego kapitalizmu [The Party Systems of Modern Capitalism]. Warsaw: Książka i Wiedza.

1962: Spoleczeństwo, w ktorym żyjemy [The Society We Live In]. Warsaw: Książka i Wiedza.

1962: Zarys socjologii. Zagadnienia i pojęcia [Outline of Sociology. Questions and Concepts]. Warszawa: Państwowe Wydawnictwo Naukowe.

1964: Zarys marksistowskiej teorii spoleczeństwa [Outline of the Marxist Theory of Society]. Warszawa: Państwowe Wydawnictwo Naukowe.

1964: Socjologia na co dzień [Sociology for Everyday Life]. Warszawa: Iskry.

1965: Wizje ludzkiego świata. Studia nad społeczną genezą i funkcją socjologii [Visions of a Human World: Studies on the social genesis and the function of sociology]. Warszawa: Książka i Wiedza.

1966: Kultura i społeczeństwo. Preliminaria [Culture and Society, Preliminaries]. Warszawa: Państwowe Wydawnictwo Naukowe.

1972: Between Class and Elite. The Evolution of the British Labour Movement. A Sociological Study. Manchester: Manchester University Press ISBN 978-0-7190-0502-2 (Polish original 1960)

1973: Culture as Praxis. London: Routledge & Kegan Paul. ISBN 978-0-7619-5989-2

1976: Socialism: The Active Utopia. New York: Holmes and Meier Publishers. ISBN 0-8419-0240-2

1976: Towards a Critical Sociology: An Essay on Common-Sense and Emancipation. London: Routledge & Kegan Paul. ISBN 0-7100-8306-8

1978: Hermeneutics and Social Science: Approaches to Understanding. London: Hutchinson. ISBN 0-09-132531-5

1982: Memories of Class: The Pre-history and After-life of Class. London/Boston: Routledge & Kegan Paul. ISBN 0-7100-9196-6

c1985 Stalin and the peasant revolution: a case study in the dialectics of master and slave. Leeds: University of Leeds Department of Sociology. ISBN 0-907427-18-9

1987: Legislators and interpreters – On Modernity, Post-Modernity, Intellectuals. Ithaca, N.Y.: Cornell University Press. ISBN 0-8014-2104-7

1988: A liberdade (Freedom. Philadelphia: Open University Press. ISBN 0-335-15592-8). Estampa ISBN 9723308118

1989: Modernidade e Holocausto (Modernity and The Holocaust. Ithaca, N.Y.: Cornell University Press 1989. ISBN 0-8014-2397-X). Traduzido por Marcus Penchel. Jorge Zahar Editor ISBN 85-7110-483-2

1990: Paradoxes of Assimilation. New Brunswick: Transaction Publishers.

1990: Thinking Sociologically. An introduction for Everyone. Cambridge, Mass.: Basil Blackwell. ISBN 0-631-16361-1

1991: Modernidade e Ambivalência (Modernity and Ambivalence. Ithaca, N.Y.: Cornell University Press. ISBN 0-8014-2603-0). Traduzido por Marcus Penchel. Jorge Zahar Editor ISBN 978-85-7110-494-5

1992: Intimations of Postmodernity. London, New York: Routhledge. ISBN 0-415-06750-2

1992: Mortality, Immortality and Other Life Strategies. Cambridge: Polity. ISBN 0-7456-1016-1

1993: Ética pós-moderna (Postmodern Ethics. Cambridge, MA: Basil Blackwell. ISBN 0-631-18693-X). Paulus Editora ISBN 8534909040

1995: Life in Fragments. Essays in Postmodern Morality. Cambridge, MA: Basil Blackwell. ISBN 0-631-19267-0

1996: Alone Again – Ethics After Certainty. London: Demos. ISBN 1-898309-40-X

1997: O Mal-Estar da Pós-Modernidade (Postmodernity and its discontents. New York: New York University Press. ISBN 0-7456-1791-3). Traduzido por Luís Carlos Fridman. Jorge Zahar Editor ISBN 978-85-7110-464-8

1998: Work, consumerism and the new poor. Philadelphia: Open University Press. ISBN 0-335-20155-5

1998: Globalização: As Conseqüências Humanas (Globalization: The Human Consequences. New York: Columbia University Press. ISBN 0-7456-2012-4). Traduzido por Marcus Penchel. Jorge Zahar Editor ISBN 978-85-7110-495-2

1999: Em Busca da Política (In Search of Politics. Cambridge: Polity. ISBN 0-7456-2172-4). Traduzido por Marcus Penchel. Jorge Zahar Editor ISBN 978-85-7110-553-9

2000: Modernidade Líquida (Liquid Modernity. Cambridge: Polity ISBN 0-7456-2409-X). Traduzido por Plínio Dentzien. Jorge Zahar Editor ISBN 978-85-7110-598-0

2001: Comunidade: A Busca por Segurança no Mundo Atual (Community. Seeking Safety in an Insecure World. Cambridge: Polity. ISBN 0-7456-2634-3). Traduzido por Plínio Dentzien. Jorge Zahar Editor ISBN 85-7110-699-1

2001: A sociedade individualizada (The Individualized Society. Cambridge: Polity. ISBN 0-7456-2506-1). Traduzido por José Maurício Gradel. Jorge Zahar Editor ISBN 8537801070

2001 (com Keith Tester): Conversations with Zygmunt Bauman. Cambridge: Polity. ISBN 0-7456-2664-5

2001 (com Tim May): Thinking Sociologically, 2nd edition. Oxford: Blackwell Publishers. ISBN 0-631-21929-3

2002: Society Under Siege. Cambridge: Polity. ISBN 0-7456-2984-9

2003: Amor Líquido: Sobre a Fragilidade dos Laços Humanos (Liquid Love: On the Frailty of Human Bonds. Cambridge: Polity. ISBN 0-7456-2489-8). Traduzido por Carlos Alberto Medeiros. Jorge Zahar Editor ISBN 978-85-7110-795-3

2003: City of fears, city of hopes. London: Goldsmith’s College. ISBN 1-904158-37-4

2004: Vidas Desperdiçadas (Wasted Lives. Modernity and its Outcasts. Cambridge: Polity. ISBN 0-7456-3164-9). Traduzido por Carlos Alberto Medeiros. Jorge Zahar Editor ISBN 978-85-7110-873-8

2004: Europa: Uma Aventura Inacabada (Europe: An Unfinished Adventure. Cambridge: Polity. ISBN 0-7456-3403-6). Traduzido por Carlos Alberto Medeiros. Jorge Zahar Editor ISBN 85-7110-895-1

2004: Identidade: Entrevista a Benedetto Vecchi (Identity: Conversations with Benedetto Vecchi. Cambridge: Polity. ISBN 0-7456-3308-0). Traduzido por Carlos Alberto Medeiros. Jorge Zahar Editor ISBN 978-85-7110-889-9

2005: Vida Líquida (Liquid Life. Cambridge: Polity. ISBN 0-7456-3514-8). Traduzido por Carlos Alberto Medeiros. Jorge Zahar Editor ISBN 978-85-7110-969-8

2006: Medo líquido (Liquid Fear. Cambridge: Polity. ISBN 0-7456-3680-2). Traduzido por Carlos Alberto Medeiros. Jorge Zahar Editor ISBN 978-85-378-0048-5

2006: Tempos líquidos (Liquid Times: Living in an Age of Uncertainty. Cambridge: Polity. ISBN 0-7456-3987-9). Traduzido por Carlos Alberto Medeiros. Jorge Zahar Editor ISBN 978-85-7110-993-3

2007: Arte, ¿líquido?. Madrid: Ediciones Sequitur. ISBN 978-84-95363-36-7

2008: Vida para consumo. (Consuming Life.Cambridge: Polity. 2007. ISBN 0-7456-4002-8) Traduzido por Carlos Alberto Medeiros. Jorge Zahar Editor ISBN 978-85-378-0066-9

2008: A arte da vida (The art of life. John Wiley). Traduzido por Carlos Alberto Medeiros. Jorge Zahar Editor ISBN 9788537801185

2009: Confiança e medo na cidade. Traduzido por Eliana Aguiar. Jorge Zahar Editor ISBN 9788537801222

2010: Capitalismo Parasitário e Outros Temas Contemporâneos. Traduzido por Eliana Aguiar. Jorge Zahar Editor ISBN 9788537802052

2010: Legisladores e intérpretes. Traduzido por Renato Aguiar. Jorge Zahar Editor ISBN 9788537802724

2010: Vida a crédito. Traduzido por Alexandre Werneck. Jorge Zahar Editor ISBN 9788537802656

2010: Aprendendo a pensar com a sociologia. Traduzido por Alexandre Werneck. Jorge Zahar Editor ISBN 9788537801970

2011: Bauman sobre Bauman: diálogos com Keith Tester. Traduzido por Carlos Alberto Medeiros. Jorge Zahar Editor ISBN 9788537800003

2011: Vida em fragmentos. Traduzido por Alexandre Werneck. Jorge Zahar Editor ISBN 9788537805152

2011: 44 cartas do mundo líquido moderno. Traduzido por Vera Pereira. Jorge Zahar Editor ISBN 9788537806814

2011: A ética é possível num mundo de consumidores?. Traduzido por Alexandre Werneck. Jorge Zahar Editor ISBN 9788537807163

2012: Ensaios sobre o conceito de cultura. Traduzido por Carlos Alberto Medeiros. Jorge Zahar Editor ISBN 9788537808009

2015: Desafios do mundo moderno. Traduzido por Carlos Alberto Medeiros. Jorge Zahar Editor ISBN 9786356421531

2015: A riqueza de poucos beneficia todos nós?. Traduzido por Renato Aguiar. Jorge Zahar Editor ISBN 9788537814161

2016: Babel. Traduzido por Renato Aguiar. Jorge Zahar Editor ISBN 9788537815847

2017: Estranhos à nossa porta. Traduzido por Carlos Alberto Medeiros. Jorge Zahar Editor ISBN 9788537816103

2017: O retorno do pêndulo. Traduzido por Joana Angélica d’Avila Melo. Jorge Zahar Editor ISBN 9788537816639

2017: Retrotopia. Traduzido por Renato Aguiar. Jorge Zahar Editor ISBN 9788537817124

 

Cristiano Bodart Bodart

Graduado em Ciências Sociais, doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP). Professor do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e docente do Centro de Educação dessa mesma instituição de ensino. Fundador e editor do Blog Café com Sociologia. Pesquisa as temática "movimentos sociais" e "ensino de Sociologia".

View more articles Subscribe
comment No comments yet

You can be first to leave a comment

mode_editLeave a response

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: