A sociedade do espetáculo e a coisificação do homem

A sociedade do espetáculo e a coisificação do homem

Coisificação – sociedade do espetáculo

A sociedade do espetáculo e a coisificação do homem

Por Cristiano das Neves Bodart

 

Eu poderia gritar pelas ruas: me tornei uma coisa! Me tornei descartável! Sou agora um objeto de consumo imediato! A verdade é que o homem vem se transformando em coisa, em meio a tantas outras descartáveis! Claro que, se assim eu fizesse estaria consolidando ainda mais minha posição de coisa… de espetáculo aos curiosos.

Um caso ocorrido há algum tempo, de venda de virgindade parece ser alarmante: a lei da oferta e procura definindo quanto vale a virgindade de uma pessoa. Tal comercialização não é uma transação comercial ilegal, realizada na escuridão da noite, nos becos das áreas urbanas… nas casas noturnas. Trata-se uma comercialização aberta em rede mundial de computadores. Isso, e muitas outras coisas, indica que viramos uma “coisa”!
 
O homem passou a ser um objeto necessária ao funcionamento do sistema de mercado (inclui-se aqui as mulheres, que talvez e infelizmente, vêm se tornando mais “coisa” que os homens). Nesse sistema ambos
tornaram-se também mercadorias. Seu preço? Variando conforme o prazer ou benefício temporário capaz de proporcionar, ou ainda à sua capacidade de criar outras coisas.
 
Vivemos um processo de coisificação (ou objetificação) dos homens e das mulheres. Os elementos da vida social perderam seu valor essencial e passaram a ser avaliados como “coisa”, ou seja, quanto a sua utilidade e capacidade de satisfazer certos interesses de outros. O homem desumaniza-se e vira mero espetáculo a outros igualmente desumanizados. Ora, a muito já se denunciava que vivemos na “sociedade do espetáculo”, mas agora maximizado pelo próprio espetáculo. Mortes são vistas como entretenimento televisivo. Desempregados como meras estatísticas informativas do noticiário.

A objetificação (ou coisificação) é um termo que foi cunhado no início dos anos 1970 a fim de voltar-se para os indivíduos a nível de objeto, desconsiderando seu estado emocional ou psicológico. Originalmente foi um conceito pensado para compreender o sujeito como resultado da história e da estrutura social o que estava inserido. Contudo, o conceito passou a ser adotado para a compreensão da desumanização do homens em processo de transformação em “coisas”, objetos a ser valorizado ou desvalorizado na “sociedade midiática”. 

Chamamos a atenção que, como bem colocou Foucault, embora os corpos dos homens sejam transformados cada vez mais como coisas, estas não podem ser compreendidas como objetos inertes, mas como construção histórica. Parece contraditório à princípio, mas as relações históricas no contexto do Capitalismo que produzem essas “coisas” a partir de interesses e relações de poder, geralmente poder econômico.
Pesquisas são apenas para “matar a curiosidade” dos leitores, estes também coisificados. Quanto mais desgraças, mais os jornais vendem, mais “ibope” para a TV!
Norbert Elias explicou, em certa medida, o processo civilizatório. Cabe agora explicar o processo de coisificação que está em marcha… Gritar que somos coisas seria apenas mais uma forma de sermos meros espetáculos? Ops: acho que acabei de ser um…
Cristiano Bodart

Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP), professor do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Docente do Centro de Educação da Ufal.

View more articles Subscribe
comment No comments yet

You can be first to leave a comment

mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: