Atividade: como criar um partido político

Atividade: como criar um partido político

Criando um partido político

Por Maira Conde

Tempo estimado: 6 aulas

A atividade deve ser realizada preferencialmente em grupo.

O objetivo da atividade que desenvolvo com os e as estudantes dos terceiros anos desde 2015 é levar para a sala de aula a discussão sobre polarização política e promover a compreensão do funcionamento do sistema político partidário brasileiro.

Em geral, a juventude se informa sobre política pelas redes sociais e/ou youtubers muito mais do que pelo noticiário e isso é perigoso na medida em que poucos conseguem fazer uma leitura da situação distante do senso comum.

Além da polarização política, com essa atividade é possível debater conceitos como conservadorismo, reformismo, progressismo, liberalismo, socialismo… Enfim, todos os conceitos que costumam se apresentam no chamado “compasso político” ou “diagrama político”.  No Facebook uma página chamada Testes de Coordenadas Políticas popularizou esse tipo de mecanismo.

A atividade se encaixa na Situação de Aprendizagem 4 – Como funcionam as eleições, cujas habilidades são:

  1. Desenvolver noções claras sobre o funcionamento das eleições no Brasil.
  2. A formação dos partidos.
  3. A importância do voto e o papel do eleitor no sistema democrático.

partido político

O primeiro desafio desta atividade é faze-los compreender do que se trata essa polarização. Para isso sugeri como fonte de consulta a reportagem do UOL Vestibular “Política: O que é ser esquerda, direita, liberal e conservador? ” .  Utilizei em algumas abordagens um diagrama criado na própria lousa onde expliquei, além dos conceitos já mencionados a noção de livre mercado, privatização e estatização. Anteriormente, já havíamos trabalhado a partir da obra “Sociologia em Movimento” os tipos modernos de Estado (página 158) então foi necessário retomar conceitos como liberal, neoliberal e social – democracia.

A segunda etapa foi a mais complexa, quando trabalhamos com o compasso político. A todo tempo foi necessário lembrar os e as estudantes que não se trata de algo hermético, fechado. Que o compasso político nos dá apenas uma ideia de nossa posição no espectro político – ideológico. Enquanto na sala de informática os e as estudantes realizavam o teste fui contextualizando algumas perguntas e expressões que eles desconheciam.  Duas situações curiosas aconteceram:

Em uma delas um estudante recusou o resultado e refez o teste para que o resultado se encaixasse mais à direita.

Na segunda situação, quando uma estudante viu que de acordo com a posição no diagrama do seu teste havia uma semelhança na posição do PT de acordo com as votações no Congresso Nacional , eis que ela grita: “Se minha mãe souber que eu penso igual ao PT ela me mata!”

Seguindo uma tendência já observada não só por mim, mas por outros colegas, há um orgulho presente em se apresentar como “de direita” quando “esquerdismo” soa como a representação do mal. Talvez por isso a surpresa no resultado do teste. Neste momento é importante retomar a importância dos direitos sociais, mas particularmente procurei adotar uma postura metodológica e não militante.

O próximo passo é focar nos itens do trabalho.

Na sigla do partido, procuro deixar claro que não há mais a necessidade do “P” de partido e que é fundamental que acompanhe o espectro ideológico que o grupo escolheu adotar podendo ser ou não a partir do resultado no compasso político.

Na logomarca sugiro utilizarem o Logaster, Canva ou Tailor Brands (dica de um estudante) que é o melhor, porém pago e só é possível printando a tela.

Para construir o programa de governo do partido, sugiro um documento do Senado que consta as diretrizes partidárias de 33 legendas. Eles podem consultar este documento ou procurar no site dos próprios partidos os respectivos programas.

Por fim, foi disponibilizado um template inspirado nas normas da ABNT para que fizessem o preenchimento com as informações que coletaram de modo que o trabalho ficasse minimamente padronizado.

A última etapa foi a entrega dos trabalhos e um debate entre os partidos onde eles criaram as perguntas após conhecer o plano de governo dos demais nas seis áreas sugeridas (saúde, educação, combate ao desemprego, economia, combate à corrupção e combate à violência e segurança pública).

Desenvolver essa atividade nunca é fácil principalmente em turmas heterogêneas onde alguns demonstram enorme interesse pelo assunto e outros estão absolutamente alheios a esse debate. Um outro empecilho é o pouco tempo disponível visto de que acordo com o currículo paulista a situação de aprendizagem 4 precisa ser trabalhada no máximo em 6 aulas.

Roniel Sampaio Silva

Mestre em Educação e Graduado em Ciências Sociais. Professor do Programa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí – Campus Floriano. Dedica-se a pesquisas sobre condições de trabalho docente e desenvolve projetos relacionados ao desenvolvimento de tecnologias.

View more articles Subscribe
comment No comments yet

You can be first to leave a comment

mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: