Esquema síntese da obra “Estigma”, de Erving Goffman

Esquema síntese da obra “Estigma”, de Erving Goffman

Por Cristiano das Neves Bodart

Apresentamos neste post um esquema síntese com os principais elementos da obra “Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada”, de Erving Goffman.

Goffman é um dos mais conhecidos e importante teóricos do Interacionismo Simbólico. Recomendamos que esse esquema síntese seja “utilizado” apenas após a leitura da obra, não sendo produtivo substituí-la.

Como ponto de partida, dois trechos da obra de Goffman nos ajudam a compreender seu conceito de estigma. Para ele,

Enquanto o estranho está à nossa frente, podem surgir evidências de que ele tem um atributo que o torna diferente de outros que se encontram numa categoria em que pudesse ser incluído, sendo, até, de uma espécie menos desejável […]. Assim deixamos de considerá-la criatura comum e total, reduzindo-a a uma pessoa estragada e diminuída. Tal característica é estigma, especialmente quando o seu efeito de descrédito é muito grande […] (GOFFMAN, 2017, p. 12).

Ainda,

O termo estigma, portanto, será usado em referência a um atributo profundamente depreciativo, mas o que é preciso, na realidade, é uma linguagem de relações e não de atributos. Um atributo que estigmatiza alguém pode confirmar a normalidade de outrem, portanto ele não é, em si mesmo, nem horroroso nem desonroso (GOFFMAN, 2017, p. 13).

Segue o esquema síntese:

 

Baixe AQUI a versão em PDF 

Veja AQUI esquema sobre o Interacionismo Simbólico de Blumer

 

Referência

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4º ed. Rio de Janeiro: LTC, 2017.

Cristiano Bodart

Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP), professor do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Docente do Centro de Educação da Ufal.

View more articles Subscribe
Leave a response comment2 Responses
  1. josé rivaldo
    julho 18, 08:09 josé rivaldo

    Na verdade, segundo algumas teorias da língua portuguesa, as palavras nascem, crescem, reproduzem e morrem (às vezes)……..
    Neste caso específico, o “estigma” apenas diversificou em seus significados e significantes….

    reply Reply this comment
  2. Cristiano Bodart
    julho 18, 10:17 Cristiano Bodart

    Isso mesmo José Rivaldo! O conceito de estigma foi apropriado por Goffman e resignificado para além de marcas corporais. abs

    reply Reply this comment
mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: