Desabafo de uma professora de Sociologia

Desabafo de uma professora de Sociologia
Sou professora de sociologia da rede estadual do Rio de Janeiro. Devido ao baixo salário, sou obrigada a trabalhar também na rede privada. Tenho 22 turmas, metade na escola privada, a outra metade no Estado. Uma média de 40 alunos por turma no Estado e 60 na escola privada. Isso me dá cerca de 1100 alunos, e 1680 avaliações pra corrigir por bimestre. Dessas, 1400 são da rede estadual.
Esta professora de sociologia tem apenas um tempo de 50 minutos de aula com cada turma, o Estado me obriga a aplicar 4 avaliações: 3 regulares mais a recuperação. Em dia de entrega das avaliações não tem aula, pq não dá tempo em 50 minutos, além disso eu perco um dia de aula para a aplicação do SAERJ Brinco com meus alunos que eles tem mais avaliação do que dia de aula.
A escola me cobra também contabilizar a presença em cada aula e anotar nos diários, PARA CADA UMA DAS 11 TURMAS: conteúdo trabalhado em sala, notas, faltas incluindo os malditos pontinhos de presença (sim, querem que eu faça aqueles pontinho em cada quadradinho, não só marcar as faltas). Me exigem também lançar as mesmas notas dos alunos que já estão no diário na página da SEEDUC, e entregar numa tirinha para secretaria. Ou seja, além das 1680 provas eu preciso preencher 11 diários e lançar as notas 3 vezes. Tudo isso com 50 minutos de aula. Sem esquecer que temos um prazo pra tudo isso, em torno de 2 semanas.
Também exigem que nós apliquemos o SAERJ, aquela prova que vocês devem ter visto circulando por aí, que subestima a capacidade intelectual dos meus alunos,um desrespeito com eles, além de reproduzir a meritocracia, que é absolutamente contraditória com uma perspectiva de ensino que visa reconhecer as particularidades de cada aluno. Muitos professores, por orientação da SEEDUC, dão pontos para os alunos que fazem o SAERJ, facilitando a sua aprovação, o que garante que com o número de aprovações escolares elevados para que assim o Governo do Estado possa pegar empréstimos com organismos financeiros internacionais. Sabemos que esse dinheiro não chega nas escolas, nem passa perto.
Terça-feira é um dia cheio, dou aula para 8 turmas seguidas, pulo de sala em sala. Infelizmente não consigo gravar o nome de todos os meus alunos, muitas vezes não consigo reconhecê-los na rua, o que me entristece muito, porque desumaniza as nossas relações. Em razão disso tudo, ou eu desobedeço as normas, ou só me preocupo com as burocracias, eu resolvi desobedecer as normas. Não aplico SAERJ, não lanço as notas no sistema da SEEDUC, marcos as presenças (quando me lembro de fazer) mas não faço os pontinhos, não obedeço severamente os prazos, reduzirei a quantidade de avaliações e me concentrarei nas aulas e debates em sala, mesmo com tão pouco tempo de aula eles são a parte mais importante da minha presença ali.
É um festival de desumanidades… desde as 22 turmas, as 1680 provas, os prazos, os pontinhos e lançamentos de notas diversas vezes, os 1100 alunos que eu “não conheço”, o salário extremamente baixo, o ato de processar professor que faz greve. Como se não bastasse, somos obrigados a trabalhar aos sábados (mesmo sem os alunos) por causa dos dias perdidos com a Copa do Mundo, até apanhar da polícia quando vamos às ruas reclamar por melhores condições de trabalho…
Quando você ouvir falar nos motivos da greve dos profissionais de educação, por favor se lembre disso”.
——————————–
Texto: Marieta Baderna
Roniel Sampaio Silva

Mestre em Educação e Graduado em Ciências Sociais. Professor do Programa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí – Campus Floriano. Dedica-se a pesquisas sobre condições de trabalho docente e desenvolve projetos relacionados ao desenvolvimento de tecnologias.

View more articles Subscribe
comment No comments yet

You can be first to leave a comment

mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: