Respeite as minas: dica de aulas de Sociologia

Respeite as minas: dica de aulas de Sociologia

sequência didática de Sociologia

Respeite as minas: dica de aula de Sociologia

Por Cristiano das Neves Bodart

A presente postagem é uma dica de sequência didática de Sociologia para o Ensino Médio, na qual temáticas relacionadas são abordadas.

Temas: Relações de Gênero, Feminismo e assédio sexual

Objetivo Geral:

  • Problematizar questões sociais que envolvem as condições atuais da mulher.

Objetivos específicos:

  • Caracterizar situações de assédio sexual;
  • Contrastar as condições de trabalho das mulheres com a dos homens;
  • Explicar os conceitos de gênero e feminismo.

Metodologia

A sequência didática será dividida em 2 aulas com dois momentos cada.

1º dia/momento 1:Aula tem início com o professor escrevendo no quadro as seguintes perguntas: Qual o maior problema das mulheres? O que as mulheres querem?

Após escrever essas perguntas o professor pedirá que os alunos respondam de forma breve em uma folha de caderno (sem identificação). O professor irá recolher as respostas. Feito isso, divida o quadro em duas partes, em uma escreva “respostas dadas por mulheres”. Na outra “respostas dadas por homens”. Oriente os alunos que não se identifique como autor da resposta. Leia em voz alta cada uma das respostas. A cada resposta lida, pergunte aos alunos, buscando chegar a um consenso, se teria sido escrito por homem ou por mulher. Vá colando (com fita dupla face ou similar) no quadro. Colada todas as respostas, o professor pergunta a autoria de cada uma das respostas e observando se foi colada na parte correspondente ao sexo do aluno. Feito isso, observe se os homens da sala acham que as preocupações das mulheres são aquelas respondidas pelas mulheres. É possível aparecer respostas marcadas por preconceito e estereótipos, os quais devem, respeitando o aluno respondente, ser desconstruído.

1º dia/momento 2:A partir das observações realizadas no momento 1, o professor passa a discutir com os alunos porquê as mulheres vêm lutando por direitos iguais e porquê há tanta resistência e preconceito a atuação das mulheres, buscando questionar se os homens realmente estão sensíveis às demandas das mulheres.

painting-2611922_960_720-233x300

2º dia/momento 1:Aula tem início com o professor escrevendo no quadro os seguintes termos: “Gênero”, “Feminismo” e “assédio sexual”. Após escrever essas palavras deve ser apresentado aos alunos a música “Respeite as minas”, de Kell Smith (ou por meio de vídeo contendo a letra, ou por meio de áudio e cópia da letra). O professor estará pedindo que os alunos, prestando atenção na letra, extraiam trechos da música que evidenciam os termos escritos no quadro. [Veja esse artigo sobre o uso de letras de música nas aulas de Sociologia]

2º dia/momento 2: Em um círculo (ou como for possível o diálogo), peça que alguns alunos expliquem de que forma os termos estão presentes na música. Aproveite o momento para falar de conquistas feministas, citando exemplos de mulheres que lutaram por seus direitos. Buscando dar voz às mulheres, solicite que algumas alunas digam o que pensam a respeito do assédio sexual, do fato das mulheres receberem menores salários, de serem tratadas como inferiores aos homens, etc.

Recursos

Quadro e projetor (ou fotocópias).

 

Segue letra e áudio:

Letra da Música:

Respeite as minas

Kell Smith

Short, esmalte, saia, mini blusa
Brinco, bota de camurça, e o batom? tá combinando!
Uma deusa, louca, feiticeira, alma de guerreira
Sabe que sabe e já chega sambando
Calça o tênizin, se tiver afim, toda toda
Swag, do hip hop ao reggae
Não faço pra buscar aprovação alheia
Se fosse pra te agradar a coisa tava feia
Então mais atenção, com a sua opinião
Quem entendeu levanta a mão

Respeita as mina
Toda essa produção não se limita a você
Já passou da hora de aprender
Que o corpo é nosso nossas regras
Nosso direito de ser
Respeita as mina
Toda essa produção não se limita a você
Já passou da hora de aprender
Que o corpo é nosso nossas regras nosso direito de ser

Sim respeito é bom bom
Flores também são mas não quando são dadas
Só no dia 08 03
Comemoração não é bem a questão
Dá uma segurada e aprende
Outra vez saio e gasto um din, sou feliz assim
Me viro ganho menos e não perco um rolezin
Cê fica em choque por saber
Que eu não sou submissa
E quando eu tenho voz cê grita: “ah lá a feminista! “
Não aguenta pressão arruma confusão
Para que tá feio irmão!

REFRÃO

Não leva na maldade não
Não lutamos por inversão
Igualdade é o ” x ” da questão, então aumenta o som!
Em nome das marias, quitérias, da penha silva
Empoderadas, revolucionárias
Ativistas, deixem nossas meninas serem super heroínas!
Pra que nasça uma joana d’arc por dia!
Como diria frida: “eu não me kahlo! “
Junto com o bonde saio pra luta e não me abalo
O grito antes preso na garganta já não me consome
É pra acabar com o machismo
E não pra aniquilar os homens
Quero andar sozinha porque a escolha é minha
Sem ser desrespeitada e assediada a cada esquina
Que possa soar bem, correr como uma menina
Jogar como uma menina
Dirigir como menina, ter a força de uma menina
Se não for por mim, mude por sua mãe ou filha!

REFRÃO

 

 

Cristiano Bodart

Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP), professor do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Docente do Centro de Educação da Ufal.

View more articles Subscribe
comment No comments yet

You can be first to leave a comment

mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: