Brincando de sociólogo!!?? Símbolos, Status e Papéis Sociais

Brincando de sociólogo!!?? Símbolos, Status e Papéis Sociais

Hoje li um post no blog https://im-postura.blogspot.com/ que me chamou atenção. Abaixo segue a postagem:

“Vamos agora brincar um pouco de sociólogos…

De uns tempos pra cá, virou moda neguinho ficar usando cordão, de prata ou de ouro, no pescoço. Essa mania, para quem pensa para além do que os olhos vêem, pode ser o resultado de outras manias e pode revelar facetas ocultas do comportamento contemporâneo das grandes cidades.
Antigamente, quando eu era adolescente, essa era uma mania exclusiva dos bandidos. Cheguei a
jogar futebol num morro aqui da Tijuca e os caras que passavam com cordões no pescoço eram logo designados: “Olha lá.. aquele é o bandido tal”. Ninguém que não fosse do grupo dos “foras-da-lei” usava os tais cordões…
Passou-se o tempo. E a pergunta que fermenta essa pequena reflexão é a seguinte: os cordões foram salvos de sua simbologia malfeitora ou foram as pessoas, no geral, que ficaram mais “bandidas”?… Respostas para a redação…” (Marcelo Henrique Marques de Souza, Rio de Janeiro, RJ, Brazil, Escritor, professor e blogueiro).

Meus Comentários referente ao post acima:

Para “brincar de sociólogo”, parto da seguintes questões:
1. Objetos sempre foram usados como símbolos de poder e;
2. Os símbolos são mutaveis no tempo/espaço.
 
Se os cordões deixaram de ser símbolos de poder no tráfico não sei precisar, mas que os mesmos continuam apresentando-se como um símbolo de poder, especialmente nas periferias, isso é bem provável. Ao usar um desses, o indivíduo busca demonstra que tem poder… de consumo… de acesso a moda … de sedução… tudo dependendo do ambiente.
 
Nos bailes funks, por exemplo, tais cordões são objetos de desejo por parte de muitos jovens. Talvez por está ainda ligado ao poder do tráfego, ou ao poder que possuem alguns traficantes… é uma possibilidade.
 
Mas por que fora do “morro” o tal objeto vem sendo utilizado?  Acredito que o motivo esteja na ampliação do domínio dos antigos usuários de tais cordões – que ainda os usam – sobre a indústria cultural, seja ela “pirata” ou legal. 
Cantores que vieram desse contexto de poder, hoje estão na mídia, vendendo suas músicas e seus estilos. Aí, acredito, está o motivo de tantos jovens estarem usando esse “símbolo do poder”. Usam não mais como símbolo de poder de “dono do morro”, mas dono de um poder de consumo supostamente existente, espelhado no seu ídolo musical ou em algum jogador de futebol que tem suas origens nesse “mundo”.

Convido, você leitor do Café com Sociologia, a brincar de sociólogo. Deixe sua reflexão nos comentários.

 

Cristiano Bodart

Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP), professor do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Docente do Centro de Educação da Ufal.

View more articles Subscribe
comment No comments yet

You can be first to leave a comment

mode_editLeave a response

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu
%d blogueiros gostam disto: